sexta-feira, 31 de agosto de 2012

SESC Belenzinho apresenta o novo CD da Orquestra Contemporânea de Olinda

A Orquestra Contemporânea de Olinda lança seu novo disco, Pra Ficar, no dia 14 de setembro, sexta-feira, no SESC Belenzinho, às 21h30, cuja produção musical é assinada por Arto Lindsay.

O show da Orquestra tem pegada dançante e segue o ritmo que conquistou os palcos brasileiros, numa trajetória de cinco anos. Totalmente autoral, o repertório apresentado no SESC Belenzinho é baseado no novo disco (“No Ar”, “De Leve”, “Mar Azul”, “Toda Massa”, “Janela”, “Boneco Gigante” e outras), mas traz também alguns sucessos da banda como “Sereia”, “Ladeira”, “Suor da Cidade” e “Tá Falado”.

Idealizada pelo percussionista Gilú Amaral, a Orquestra Contemporânea de Olinda se caracteriza pela utilização de duas das maiores “escolas” (referência) da música pernambucana: a percussão e os sopros - com um quarteto de tuba, sax, trompete e trombone, liderados pelo maestro Ivan do Espírito Santo (todos egressos do Grêmio Musical Henrique Dias, pioneira escola profissionalizante de música de Pernambuco). A orquestra tem ainda baixo, microkorg, guitarra, rabeca e um duo de vozes masculinas, numa formação surpreendente e nada convencional.

A banda é destaque da nova geração no cenário nacional e forte representante da diversidade sonora de Pernambuco, com misturas de ritmos do todo o mundo. O segundo disco de carreira da big band olindense (Pra Ficar) chega com assinatura de Arto Lindsay, produtor de discos de Caetano Veloso (Estrangeiro e Circulado), Marisa Monte (Mais, Cor de Rosa e Carvão e Memórias, Crônicas e Declarações de Amor), Carlinhos Brown (Algamabetizado) e Gal Costa (O Sorriso do Gato de Alice).

Para Lindsay, a Orquestra desenvolve as composições e fusões de uma forma particular. “Tem frevo e mais uma porção de coisas, com tudo suingando junto. Os arranjos têm liberdade e vão longe. É como se fosse uma mistura do som de Moacir Santos com uma pegada mais forte. É pulsante, original”, sintetiza o produtor.

A Orquestra Contemporânea de Olinda é formada por dez instrumentistas. Quem dá “voz” à banda são conceituados músicos pernambucanos: Gilú Amaral (percussão), Rapha B (bateria), Hugo Gila (baixo e microkorn), Juliano Holanda (guitarra), Maciel Salú (rabeca e voz), Tiné (voz e percussão fina), Maestro Ivan do Espírito Santo (sax e flauta), Roque Netto (trompete e flugelhorn), Babá do Trombone (trombone) e Alex Santana (tuba).

Com o primeiro disco, homônimo, lançado em 2008 (Som Livre), o grupo conquistou indicações ao Prêmio da Música Brasileira, Grammy Latino, teve o show considerado um dos melhores de 2009 pelo Jornal O Globo e ganhou meia página do The New York Times pela apresentação feita no Lincoln Center (NY), em 2010, na primeira turnê pelos EUA.

Show: Orquestra Contemporânea de Olinda
Dia 14 de setembro. Sexta-feira, às 21h30
SESC Belenzinho - www.sescsp.org.br/belenzinho
Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho/SP - Tel: (11) 2076-9700
Comedoria (500 lugares). Proibido para menores de 18 anos. Duração: 1h20
Ingressos pela rede INGRESSOSESC (unidades do SESC): R$ 24,00 (inteira), R$ 12,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 6,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).
Estacionamento: R$6,00 (não matriculado no SESC); R$3,00 (matriculado no SESC).


quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Pare o mundo que eu quero descer!

Piano na Praça apresentaSilvio Brito e João Leopoldo

Silvio Brito
A série Piano na Praça da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo apresenta no dia 1º de setembro (sábado) o cantor e compositor Silvio Brito, às 16 horas. O concerto de abertura acontece mais cedo, às 15 horas, sob o comando do pianista, arranjador e cantor João Leopoldo e sua música teatral. O espetáculo acontece na Praça Dom José Gaspar, Centro da capital.

Acostumado a emocionar multidões, Silvio Brito promete um show intimista, como o próprio projeto sugere, interpretando canções marcantes de mais de 40 anos de história e que ainda hoje são sucessos, como “Tá Todo Mundo Louco”, “Pare o Mundo Que Eu Quero Descer”, “Terra dos Meus Sonhos” e “Careca, Sem Dente e Pelado (parceria com Joel Soares).

O artista ainda interpreta músicas compostas mais recentementes - Quando o Coração Diz Sim” (com José Wilson) e “La Bohème” (versão para música de Charles Aznavour), além de “Cidadão” (de Lúcio Barbosa), “Balada Para Um Louco” (Astor Piazolla, versão Rogério Cardoso) e “O Retrato de Maria” (Ivon Cury). Entre uma canção e outra, Silvio Brito conta breves histórias sobre sua trajetória na música, no rádio e na televião e fala também sobre as músicas e compositores que o influenciaram.

João Leopoldo

Série: Piano na Praça
Dia 1º de setembro de 2012 – sábado
15 horas: João Leopoldo
16 horas: Silvio Brito
Local: Praça Dom José Gaspar, s/nº - Centro – São Paulo/SP
Grátis – Informações: (11) 3397-0160 – Metrô República
Nº lugares: 300 cadeiras - Concerto ao ar livre – Duração: 2 horas

Próximas atrações do Piano na Praça:
15/09 - Nelson Ayres e Thiago Pinheiro
29/09 - Túlio Mourão e Rafa Castro

Silvio Brito

Nascido em Três Pontas, MG, Silvio Brito iniciou sua carreira aos seis anos na Rádio Clube de Varginha cantando sucessos como "Donde Estará Mi Vida", "Retrato de Maria" e "Sole Mio", quando também realizou seu primeiro show na Cidade de Três Pontas. Gravou o primeiro disco aos 10 anos, em Belo Horizonte, cantando “Jambalaia”, de Brenda Lee. Silvio participou de dezenas de programas nas TVs do Rio e de SP com destaque para a Rádio Nacional do Rio, nos programas de Cesar de Alencar, Manoel Marcelos e Paulo Gracindo, programas de TV como Almoço com as Estrelas, Julio Rosemberg e Jair de Taumaturgo.

Em 1962, foi contratado pela TV Nacional de Brasilia estreando sua carreira de apresentador infantil. Aos 12 anos, compôs sua primeira música e já tocava trombone e saxofone na banda do colégio; logo começou a tocar violão e piano nas festas. Formou sua primeira banda com os 15 anos (Os Apaches) gravando sucessos (Sonho de Amor) e, oito anos depois, mudou-se para São Paulo e iniciou sua carreira solo fazendo músicas religiosas nas gravadoras Edições Paulinas e Continental.

No final de 1974, Sivio era um sucesso como cantor a música “Tá Todo Mundo Louco”. Depois vieram “Espelho Mágico”, “Pare o Mundo que Eu Quero Descer”, “Casinha, Cidadão”, “Utopia”, “Nos Becos da Vida”, “Terra dos Meus Sonhos”, “Farofa-Fá, “Aleluia”, “Louvado Seja Meu Senhor”, “Uma Luz e Muitos” e outros.

Com uma discografia de mais de 20 discos e qutro discos de ouro, seu mais recente CD, Chega, foi lançado em, 2010 com 13 composições inéditas, das 20 gravadas. Seu primeiro DVD, Nos Bares da Vida, foi gravado em 2007 no Bar Brahma, em São Paulo.

Já dividiu o palco com Raul Seixas, Roberto Carlos, Fábio Junior, Moacir Franco, Sivuca, Billy Paul, Nico Fidengo, Milton Nascimento, As Frenéticas, Wagner Tizzo, Eduardo Araújo, Tonico e Tinoco, Os Trapalhões, Padre Zezinho, Padre Marcelo e muitos outros. No exteror, apresentou-se em Portugal, Estados Unidos (New York, Miami, Boston e New Jersey), Espanha, Itália, Israel, Egito, Alemanha, Uruguai e Argentina.

João Leopoldo

Pianista, arranjador e compositor formado pelo Conservatório musical Dr. Carlos de Campo de Tatuí, João Leopoldo traz de forma leve, inteligente e bem humorada, composições que fazem o público refletir e se deixar levar pelo fantástico mundo do “absurdo”. Influenciado pela vanguarda paulista do início dos anos 80, o músico paulistano, residente em Sorocaba, vem ganhando espaço e boas críticas por onde tem se apresentado.

O músico já abriu shows para nomes como Eduardo Dussek, Arnaldo Antunes, Jane Duboc, além de ter tocado ao lado de Jeff Scot Soto, Eric Martin, Rini Luyks e outros. Tem como principal alicerce criativo o estilo recitativo, a música teatral (Cabaret).

Com três discos independentes lançados e uma turnê de três meses pela Europa, atualmente, o artista vem divulgando seu mais recente trabalho, Cabeça Madura, lançado em 2010 na mostra de cinema surrealista de Alejandro Jodorowsky – Curitiba, Londrina, Maringá e Pato Branco. Participou e ganhou alguns festivais de música do Brasil, entre eles: Mapa Cultural Paulista, Femup, Femucic, FEM, Festival Livre de Música, Canta Encanto e outros. Nos shows o músico flerta com a expressão surrealista incorporando em suas letras histórias que trafegam pelo fantástico mundo da imaginação.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Mogi das Cruzes recebe o TIM Roda de Rock com os Houdinis (1/9)

O grupo paulistano Houdinis apresenta o espetáculo TIM Roda de Rock em Mogi das Cruzes, no próximo sábado, dia 1º de setembro, na Expo Mogi. O show acontece na Av. Prefeito Carlos Ferreira Lopes, 540 - Mogilar, às 18h30.

Formado por Junior Del Campo (vocais), Ícaro Scagliusi (guitarra), Ricardo Carneiro (guitarra), Lúcio Del Cielo (percussão), Marcos Lucke (baixo), Gui Afif (saxofones), os Houdinis percorrerão 15 cidades do interior paulista, até o dia 22 de setembro, sempre com apresentações gratuitas.

O grupo faz releituras de obras clássicas do rock mundial, com pegada descontraída e bem pertinho do público. De um repertório com mais de 200 composições, eles pinçam as obras que serão interpretadas em cada show. Neste extenso cardápio musical, tem som para todos os gostos e tribos, mas a performance é impar, lapidada em mais de dois anos de Roda de Rock .

O TIM Roda de Rock foi viabilizado por meio do ProAC, Programa de Ação Cultural, da Secretaria de Estado da Cultura, com patrocínio da TIM.

Programação

O projeto já passou por Ilha Bela, Piracicaba, Jundiaí, Rio Claro, Campinas e Serra negra.

01/09 (18h30) - Mogi das Cruzes/SP
Atração na Expo Mogi
Av. Prefeito Carlos Ferreira Lopes, n.º 540 – Mogilar

06/09 – Tremembé
07/09 – Ubatuba
08/09 – Caraguatatuba

Demais cidades que receberão o TIM Roda de Rock: Sorocaba, Jaú, Bauru, Pirassununga e outras e outras a definir.

A Roda de Rock e o Houdinis

O início da Roda de Rock foi como uma brincadeira. Dois músicos - um cantor e um guitarrista - começaram a fazer um som, aos domingos, no bar de uma amiga, a Dida. O encontro trazia rock’n’rol da melhor qualidade, feito de improviso, sem roteiro nem repertório a ser seguido.

Aproveitando que “domingo é uma espécie de sexta-feira” para os artistas que trabalham na noite, outros músicos foram chegando ao Bar da Dida - alguns amigos de longa data - para tocar aquele rock descontraído e se divertir. Logo chegaram mais um guitarrista, um percussionista, um baixista, um saxofonista... Uma mesa teve que ser providenciada para acomodar tantos instrumentos, copos e pratos, inaugurando assim a Roda do Rock. A plateia de apreciadores também cresceu, o encontro virou assunto sério e o grupo ganhou o nome de Houdinis.

O que sei viu, desde então, foi rock verdadeiro e informal, sendo executado por músicos de talento e experiência, já amparados pelo equipamento necessário à roda e um repertório de mais de 200 músicas. Mas o clima de roda e o rock sem “firula” permaneceram como grandes atrativos. Os Houdinis estão, sim, para brincadeira musical, no melhor sentido da palavra, há mais de dois anos, enchendo um baú de histórias e sempre colhendo gente para fazer parte desta trilha sonora.

Os Houdinis e sua Roda de Rock já apresentaram shows e participaram de gigs em diversos espaços como: Bar da Dida, Gil Café, Dry Bar, Bar Aurora, Melograno, IT Media (Hyatt Hotel), Troá Camisaria, Suite Savalas, Projeto Harmonizasom (do Melograno), Virada Cultural de São Paulo (24h de rock) e agora Projeto Tim Roda de Rock (15 cidades do interior de São Paulo, em agosto a setembro de 2012).

Repertório – Roda de Rock

  • AC/DC: Highway to Hell,
  • Allman Brothers: Ramblin Man
  • Beach Boys: Sail on Sailor e Sloop John B.
  • Beastie Boys: Fight For Your Right To Party (Houdinis version)
  • Billy Idol: Dancing With Myself  (Houdinis version)
  • Blondie: Heart of Glass (Houdinis version)
  • Blur: Coffe and Tv
  • Bob Dylan: All Along The Watchtower (Houdinis version), Hurricane, Like A Rolling Stone e The Man In Me
  • Bob Marley: I Shot The Sheriff
  • Britney Spears: Toxic  (Houdinis version)
  • Bruce Springsteen: I'm on Fire
  • Chuck Berry: Route 66
  • David Bowie: Heroes, Rebel Rebel, Space Oddity, This is Not America e Ziggy Stardust
  • Deep Purple: Highway Star
  • Duran Duran: Hungry Like The Wolf e Save a Prayer
  • Elton John: Rocket Man e Tiny Dancer (Houdinis version)
  • Elvis Costello: Alison
  • Elvis Presley: Burning Love e Suspicious Minds
  • Eric Clapton: Lay Down Sally
  • Faith No More: From Out Of Nowhere (Houdinis version)
  • Frank Zappa: Uncle Remus e My Guitar Wants To Kill Your Mamma
  • Houdinis: Grey Brick Walls e Rebirth
  • Iron Maiden: The Number of The Beast (Houdinis version)
  • Johnny Cash: Personal Jesus
  • Kiss: Hard Luck Woman
  • Led Zeppelin: Whole Lotta Love (Houdinis version)
  • Leonard Cohen: Hallelujah
  • Madonna: Hung Up (Houdinis Version)
  • Marvin Gaye: Let's Get It On
  • Metallica: Enter Sandman e Seek And Destroy (Houdinis version)
  • Motorhead: Ace of Spades e Stay Clean (Houdinis versions)  
  • New Order: Bizarre Love Triangle
  • Nirvana: Heart Shaped Box
  • Oasis: Don’t Look Back In Anger e Wonderwall
  • Peter Gabriel: Come Talk to Me e In Your Eyes
  • Pink Floyd: Set The Controls For The Heart of The Sun (Houdinis version), Echoes e Time (Houdinis version)
  • Queen: Crazy Little Thing Called Love
  • Radiohead: Creep
  • Ramones: I Wanna Be Sedated   (Houdinis version)
  • Sepultura: Roots Bloody Roots   (Houdinis version)
  • Simon and Garfunkel: The Boxer
  • Stevie Wonder: Higher Ground   (Houdinis version)
  • Sting: Consider Me Gone, Englishman in New York e Moon Over Bourbon Street
  • The Clash: Brand New Cadillac, Card Cheat, I Fought The Law  e London Calling   (Houdinis version) e Police and Thieves
  • The Beatles: Come Together, I've Got a Felling, I've Just Seen a Face, Lady Madonna (Houdinis Version), Ticket to Ride (Don't Let Me Down), Rocky Rackoon, We Can Work It Out e Why Don't We do It in The Road
  • The Cure: Boys Don’t Cry e Close To Me (Houdinis version)
  • The Doors: Riders on The Storm   
  • The Police: Every Little Thing She Does Is Magic, Murder by Numbers, Message In a Bottle (Houdinis version), Synchronicity Ii e Roxanne (Houdinis version)
  • The Who: My Generation
  • Tom Waits: Downtown Train
  • U2: Desire e One
  • Van Morrison: Wild Night
  • Willie Nelson: On The Road Again
  • E outros…

Programação SESC Belenzinho Teatro infantil - Setembro 2012


No mês de setembro, três espetáculos - consagrados em temporadas infantis na cidade – integram a programação do SESC Belenzinho. São eles: Era uma Vez um Gato Xadrez (dias 7, 16 e 30), A Verdadeira História do Lobo Mau (dias 9 e 23), ambos da Cia. Polichinelo, e Poemas Para Brincar (dias 8, 15, 22 e 29; e 6 de outubro), do grupo As Graças. As três peças (grátis) serão apresentadas na Área de Convivência da unidade.

Era uma Vez um Gato Xadrez
Dias 7 de setembro (sexta), 16 e 30 de setembro (domingos), às 12 horas
Com Cia. Polichinelo.
Texto e direção: Márcio Pontes
Elenco: Márcio Pontes, Marcelo Delilo e Luciano Pacchioni 
Convivência. Grátis. Livre (atividade melhor aproveitada a partir de 3 anos). 50 min

A peça conta a história de um gato diferente de todos que se viu. Além de ser xadrez, esse gato, pra lá de esperto, resolve contar histórias viajando pelo mundo afora. Em companhia de seu fiel amigo, o cão Bigodinho, o Gato Xadrez conduz o espectador por uma aventura cheia de músicas e personagens divertidos, como o cão que se apaixona pela bola, o ratinho que quer ser um leão e as galinhas que cantam para botar ovos.

Em Era uma Vez um Gato Xadrez a Cia. Polichinelo envolve a plateia com versatilidade e criatividade teatral. Destaque para as técnicas de animação com bonecos de luva e de balcão e teatro de sombras, entre outros. A montagem tem dinamismo para costurar as histórias inusitadas, além das canções que comovem e divertem. A plasticidade apurada e as técnicas teatrais asseguram excelente entretenimento para todas as idades. Para garantir a diversão basta dizer: “era uma vez um Gato Xadrez”. A companhia foi fundada em 1997 e já realizou mais de 25 espetáculos.

Poemas Para Brincar
Dias 8, 15, 22 e 29 de setembro e 6 de outubro. Sábados, às 12 horas
Com a Cia. Teatral As Graças
Autor: José Paulo Paes
Assessoria artística: Eduardo Amos. Música: Madan
Atrizes manipuladoras: Daniela Schitini, Eliana Bolanho, Juliana Montijo e Vera Abbud
Convivência. Grátis. Livre (atividade melhor aproveitada a partir de 4 anos).

Duas crianças, Juca e Ana, inventam uma maneira diferente de brincar e descobrem que a poesia é o mesmo que brincar com palavras. Com este novo jogo eles se divertem e surpreendem todos com as possibilidades da nossa língua. Guiados pelas poesias de José Paulo Paes, as crianças entram em um cemitério onde encontram um leão que morreu de susto. Conhecem um gato chinês, discutem com dois sapos, voam com um pernilongo apaixonado, aprendem sobre a elegância dos elefantes e, como detetives, tentam descobrir quem roubou o banco do jardim.

Poemas Para Brincar integra a linguagem mágica dos bonecos com a poesia. Os bonecos ganham vida por meio das palavras, sons e músicas. Poesia e movimento se completam numa contínua brincadeira onde a criança é convidada a brincar. De bola, pião. De poesia. Cada poema se torna uma grande jornada por um mundo de imaginação, sonho e alegria, onde ainda é possível a simplicidade e a delicadeza. O espetáculo estreou em 1996 e conquistou os prêmios, Mambembe, APCA e Coca-Cola.

A Verdadeira História do Lobo Mau
Dias 9 e 23 de setembro. Domingos, às 12h.
Com Cia. Polichinelo
Argumento: Jayme Paez. Texto (adaptação): Márcio Pontes
Elenco: Márcio Pontes e Marcelo Delilo
Convivência. Grátis. Livre (atividade melhor aproveitada a partir de 3 anos). 50 min.

Esta montagem da Cia. Polichinelo quer dar visibilidade para os vilões, personagens importantes nos contos infantis que são esquecidos pelo final das histórias. A Verdadeira História do Lobo Mau dá uma chance ao vilão mais famoso do universo infantil para que ele possa explicar suas maldades. Quem não conhece as artimanhas do Lobo Mau? Perverso, egoísta, mesquinho, malvado, feroz e... temido! Mas ele não está nada satisfeito com todos esses títulos e resolveu contar para todo mundo a real versão das histórias infantis (de acordo com o seu ponto de vista). O Lobo Mau quer provar que sempre foi bom e agiu com boa intenção. Agora, este “terrível” personagem diz que tudo não passou de graves enganos do destino... Será? Os dois atores em cena (escolhidos pelo próprio Lobo Mau para representarem sua versão dos fatos) utilizam bonecos e outros recursos cênicos para promover a discussão sobre as ações do vilão.

A montagem traz para o palco personagens variados das histórias populares, como os Três Porquinhos e a Chapeuzinho Vermelho, sendo que todos partilham de um elemento em comum: o Lobo Mau. De maneira arrojada e divertida, o grupo revisita personagens que nunca perdem o brilho e que, neste teatro de animação, encontram-se em situações hilárias, culminando um atrapalhado e interativo julgamento de resultado incerto. Um espetáculo encantador e cativante, no qual a plateia, conduzida pelos desenvoltos bonecos, escolhe seu final.

SESC BELENZINHO
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700 - www.sescsp.org.br/belenzinho
Estacionamento: R$ 6,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (não matriculado); R$ 3,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (matriculado). 

SESC Belenzinho apresenta show infantil com Os Trililis


O SESC Belenzinho apresenta o musical infantil Vem Cantar no Meu Quintal, com o grupo Os Trililis, nos dias 7 e 23 de setembro, às 16 horas. As apresentações (grátis) acontecem na Área de Convivência da unidade.

Vem Cantar no Meu Quintal é um show para crianças formado por 10 canções originais, que foram originalmente compostas para o espetáculo em diferentes ritmos: ciranda, MPB e pop. Os números musicais são intercalados por histórias cômicas e depoimentos dos músicos sobre a própria infância.

Os Trililis transformam o palco em “quintal do mundo”, um lugar pleno pra se brincar, cantar e contar histórias divertidas e inusitadas. No início do espetáculo os artistas cantam uma ciranda e convidam o público para o seu “quintal” (espaço de apresentação). O cenário é composto por elementos do dia a dia, comuns em qualquer quintal. São peças como baldes, bóias, bolas, brinquedos, que sempre estão presentes no imaginário das crianças.

Entre as histórias da peça contidas no roteiro do espetáculo, destaque para a do vizinho Tomtom que era o “cara mais implicante, mais brigão, mais medroso, mais mentiroso e... (claro) o mais legal da vizinhança”. Além de ele ter uma mãe que entendia língua de bicho. Mesclando histórias, músicas e interação com as crianças, o espetáculo transcorre até a chegada da chuva, sendo preciso recolher as coisas do varal. Hora de ir para casa.

“Na minha cidade / tem um restaurante / que fica no alto do morro / divertido e bem colorido / tem bala, pudim e biscoito.” (“Restaurante”, de Marcela Biasi)

Show: Vem Cantar no Meu Quintal
Com Os Trililis: DVD Moiteiro (percussão), Guilherme Meyer (voz e violão) e Marcela Biasi (voz e violão).
Direção: Eliana Fonseca
Dias 7 (sexta-feira) e 23 (domingo) de setembro, às 16 horas
SESC Belenzinho - www.sescsp.org.br/belenzinho
Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo/SP – Tel: (11) 2076-9700
Convivência. Grátis. Livre (indicada para todas as idades)
Estacionamento: R$ 6,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (não matriculado); R$ 3,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (matriculado).

Assessoria de Imprensa – SESC BELENZINHO
Jacqueline Guerra: (11) 2076-9762
Sueli Freitas: (11) 2076-9761

Contação de Histórias: SESC Belenzinho apresenta cinco Encontros de Hoje é Dia de História!


O SESC Belenzinho apresenta, em setembro, Hoje é Dia de História! com Camila Cassis e Natália Grisi, da Cia. A Hora da História. A cada encontro (dias 1º, 8, 15, 22 e 29, às 16 horas), elas apresentam três ou quatro histórias – contos autores expressivos brasileiros e mundiais – utilizando músicas, interpretação e muita interação com as crianças.

Ao final da performance, as contadoras de histórias apresentam os livros para a plateia, mostram as ilustrações e falam sobre os autores. Entres as histórias que integram o repertório de Hoje é Dia de História!, destaque para A Roupa Nova do Imperador, O Caso das Bananas, Por que o Gato e o Rato são Inimigos?, O Homem que Espalhou o Deserto e A Menina Maria.

A Roupa Nova do Imperador (Hans Christian Andersen) – História de um rei muito vaidoso que gastava todo o seu dinheiro, e todo o dinheiro de seu povo, com roupas, até o dia em que chegam ao reino dois espertalhões. Eles decidem tirar vantagem desta situação e vendem ao rei um traje completo feito de um tecido que só seria visto por pessoas inteligentes e de bom coração. Mesmo não enxergando tecido nenhum, o rei decide “usá-lo” em um desfile real.

O Caso das Bananas (Milton Célio de Oliveira Filho) – História do Macaco que acordou e viu que o cacho de bananas, que deveria estar ao lado de sua cama, desaparecera. A Dona Coruja resolve iniciar uma investigação para descobrir o ladino e entrevista diversos bichos da floresta, até descobrir que o culpado era o próprio Macaco, sonâmbulo.

Por que o Gato e o Rato são Inimigos? (conto tradicional africano) - Antigamente, o Gato e o Rato eram muitos amigos. Aonde um ia, o outro ia junto. Eles adoravam colher talos de mandioca na floresta. Numa tarde, a chuva inundou a floresta e eles fizeram uma jangada com os talos da mandioca. Assim que o Gato dormiu, o Rato comeu as mandiocas e o Gato acordou com água no pescoço, ficou com tanta raiva que decidiu comer o Rato.

O Homem que Espalhou o Deserto (Ignácio de Loyola Brandão) – Um menino que ganhou uma tesoura brincava de cortar as folhinhas das árvores no quintal. Sua mãe gostava, pois assim ele não ia para a rua. O menino crescia e as tesouras também, tornando-se um homem obstinado a cortar todas as folhas e árvores que encontrava: acabou com o quintal, com os terrenos da cidade, com as árvores das ruas e montou uma empresa que cortava árvores. A cidade virou um deserto. O homem chamou especialistas para tornar férteis suas terras e plantar tudo de novo, enquanto ensinava a seu filho a sua profissão.

A Menina Maria (Luis da Câmara Cascudo) – História de Maria que havia perdido a mãe e quase nunca via o pai, que trabalhava muito. Sua madrasta, muito malvada, a enterrou debaixo de uma árvore. Disse ao pai que a menina havia fugido e lá, escondida debaixo do mato que crescia, a menina ficou triste cantarolando sua má sorte, bem baixinho. Um dia, um jardineiro ouviu aquele choro, chamou o pai da menina e ambos a tiraram de lá.

Contação de histórias: Hoje é Dia de História!
Dias 1º, 8, 15, 22 e 29 de setembro. Sábados, às 16 horas
Com Cia. A Hora da História: Camila Cassis e Natália Grisi
SESC Belenzinho - www.sescsp.org.br/belenzinho
Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho/SP - Tel: (11) 2076-9700
Convivência. Grátis. Livre (atividade melhor aproveitada a partir de 4 anos). 50 min.
Estacionamento: Para atividades gratuitas: R$ 6,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (não matriculado); R$ 3,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (matriculado).

Assessoria de Imprensa – SESC BELENZINHO
Jacqueline Guerra: (11) 2076-9762
Sueli Freitas: (11) 2076-9761

SESC Belenzinho apresenta três espetáculos circenses em setembro


A programação infantil do SESC Belenzinho contempla o universo do circo em três espetáculos, apresentados no mês de setembro. A Cia. Mimicalado entra em cena com Olha o Rapa, Tito!! nos dias 2 e 9 (domingos, às 19 horas); na sequência, o grupo Nau de Ícaros apresenta única sessão de Cidade dos Sonhos, no dia 7 (sexta-feira, às 18 horas). E nos dias 16 e 30 (domingos, ás 16 horas) a Cia. Mimicalado está de volta, desta vez com o espetáculo Mimicalado Show. Todas as sessões são grátis.

Olha o Rapa, Tito!!
Dias 2 e 9 de setembro. Domingos, às 16 horas
Com Cia. Mimicalado Circo
Interpretação: Leandro Calado
Convivência. Grátis. Duração: 60 min. Classificação: livre

Olha o Rapa, Tito!! conta a história de um malandro muito esperto, que já tentou de tudo na vida. Tito (Leandro calado) precisa sustentar a família e pagar as contas. Para isto, tem o seu próprio negócio: uma banca ambulante de comércio informal na cidade grande. Interagindo de forma bem-humorada com a plateia e tentando vender suas bugigangas, ele conquista o público ao demonstrar seus produtos por meio de números circenses variados, usando as habilidades que conquistou em suas andanças. Enquanto diverte, Tito divide com a plateia suas vivências e experiências, suas memórias e seus sonhos, juntando humor e poesia para falar de sua vida.

Leandro Calado, palhaço-mímico, excursionou pelo Brasil com apresentações em rua e com o Circo Spacial. Em 2003, apresentou-se em diversos estados norte-americanos com o Universoul Circus. Nos anos seguintes, trabalhou com performances de mímica e palhaço nas principais ruas de Nova York, com a Cia. Brazilian Circus em Jeddha, na Arabia Saudita, e em Paris com performance de teatro de rua. Desde 2006 no Brasil, Calado ministra oficinas e apresenta seu repertório solo.

Cidade dos Sonhos
Dia 7 de setembro. Sexta-feira, às 18 horas
Com Cia. Cênica Nau de Ícaros
Texto: Fabio Malavoglia
Direção: Leopoldo Pacheco e Marco Vettore
Figurinos: Claudia Schapira. Cenografia: Luciano Bussab. Iluminação: Sílvio Francisco
Elenco: Álvaro Barcellos, Beatriz Evrard, Erica Rodrigues, Celso Reeks, Letícia Doretto, Marco Vettore
Músicos Convidados: Denis Duarte e Chico Vale
Praça. Grátis. Retirar ingressos com 1h de antecedência.
Duração: 60 min. Classificação: livre

Cidade dos Sonhos é uma “ópera buffa” circense, poética e gastronômica. Um resgate em linguagem de circo do milenário mito da São Saruê, fabulosa terra da prosperidade e da abundância onde não há dor, suor, velhice ou morte. Ou ainda As Bacantes, de Eurípedes, transformada em paródia no picadeiro. É um espetáculo de circo-dança-teatro, com números de trapézio, tecido aéreo, acrobacias e maracatu tocado ao vivo.

No enredo, Panigon, Rei de São Saruê (terra fabulosa dos rios de leite e mel, onde “quem mais dorme mais ganha” e onde as “ruas são feitas de lasanha”) desembarca com sua troupe de ciganos-malabaristas e nômades circenses numa “cidade feia” qualquer. Assim que chegam, os ciganos iniciam uma farta distribuição de guloseimas para a plateia e enfeitam o cenário da cidade. Isso conquista adeptos entre os habitantes, mas também leva às iras o Inspetor Furios del Thedius, defensor do “status quo”, que solta fogo pelas ventas. A luta entre Panigon e sua onírica troupe circense-cigana com os inimigos do sonho e dos bombons de chocolate constitui o eixo ao redor do qual se articula a ação do espetáculo.

Mimicalado Show
Dias 16 e 30 de setembro. Domingos, às 16 horas
Concepção de roteiro e textos: Cia. Mimicalado Circo
Direção: Beatriz Calado
Interpretação: Leandro Calado
Convivência. Grátis. Duração: 60 min. Classificação: livre

Mimicalado Show conta a história de Mimi (Leandro Calado), um palhaço que se rebelou contra seu padrasto, o dono do Circo Du Bufét, e por isso foi abandonado. Desiludido, mas saudoso do mundo do circo, ele decide que o show tem que continuar. Mimi fica animado ao perceber que será o astro principal de seu espetáculo e o seu próprio patrão. O palhaço usa toda a experiência obtida na companhia de circo e cria um inusitado e divertido show com malabarismos, mímica, equilíbrio, manipulação de chapéu e outros números.

O espetáculo é resultado de cinco anos de pesquisa, com estudos na área da mímica e de reprises tradicionais de circo. O enredo foi criado a partir de uma história verídica, acontecida nos bastidores de um circo itinerante, tendo como único personagem real da história Mimi. Esse personagem atua como um portal para o universo do circo e seus artistas: ora aparece como um malabarista, ora como palhaço e, logo em seguida, como um sério mestre de cerimônias, entre outros. Tudo com simples acessórios e sua técnicas.

A Cia. Mimicalado nasceu em 2002, da união de três artistas que trabalhavam no Circo Spacial: Leandro Calado (palhaço) Beatriz (trapezista, dançarina e acrobata) e Emilia (artista que fazia apresentação de força capilar como a Índia Naypi). Em 2003, fizeram a primeira viagem para os EUA para integrar o show da Universoul Circus, apresentando-se em 20 estados em uma lona para 1500 espectadores. Nos últimos anos, apresentaram-se em Nova Iorque (EUA), Paris (França), Jeddha (Arabia Saudita) e em cidades brasileiras.

SESC BELENZINHO
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700 - www.sescsp.org.br/belenzinho
Estacionamento: R$ 6,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (não matriculado); R$ 3,00 1ª hora + R$ 1,00 p/ hora (matriculado).