sexta-feira, 26 de maio de 2017

Programação de Sesc Belenzinho tem cultura e diversão para crianças em junho

Durante o mês de junho, o Sesc Belenzinho oferece uma diversificada programação para as crianças com atrações de teatro, contação de histórias, literatura, cinema, oficinas e vivências.

Com sessões aos sábados e domingos, duas renomadas companhias apresentam espetáculos teatrais. A Cia Imago apresenta o espetáculo A Flauta Mágica que explora a técnica de luz negra com teatro de bonecos, nos dias 3 e 4/6. No dia 24/6 estreia Inimigos, história que reflete sobre as guerras, extraída do livro homônimo de Davide Cali e Serge Bloch, com a Cia de Feitos, cuja temporada segue até 23/7.

O projeto Tecnologias e Artes traz várias atividades, principalmente no final de semana, para explorar a criatividade:  Experiências Animadas: Realidade Virtual e Aumentada com Joel Melo (4/6);  Construção de Brinquedos Ópticos: Taumatrópio com Daphine Ferrão e Mirella Maria (10 e 11/6); Construção de Brinquedos Ópticos: Flipbook com Daphine Ferrão e Mirella Maria (15 a 18/6); Oficina: Construção de Brinquedos Ópticos: Fenaquistocópio com Daphine Ferrão e Mirella Maria (24 e 25/6); e Experiências Animadas: do Desenho ao Gif com Vanessa Pereira (25/6).

A programação de cinema está cheia de aventura e diversão com o projeto Filminho, sempre aos domingos, às 17h: Zootopia – Essa Cidade é o Bicho (4/6), Pets - A Vida Secreta dos Bichos (11/6), Por Água Abaixo (18/06) e A Fuga das Galinhas (25/06)

Quem comanda as sessões de contação de histórias, em junho, é a Companhia Malas Portam, que usa malas como elementos simbólicos para as narrações, em dois finais de semana - 3 e 4/6 e 24 e 25/6. Uma intervenção do Coletivo Barca, Mares e Mundos de Papel, convida as crianças para uma experiência lúdica com brincadeiras e criação de brinquedos de papel, de quinta a domingo, até o dia 25/6. Outras atividades relacionadas à prática de esportes aquáticos e ao incentivo à leitura acontecem no decorrer do mês.

Veja programação completa abaixo.

TEATRO

Espetáculo: A Flauta Mágica
Com Cia. Imago

Com a ajuda de uma flauta mágica e de um caçador de pássaros muito atrapalhado, o príncipe Pamino procura resgatar a princesa Pamina, filha da Rainha da Noite, raptada por um misterioso sacerdote. Para encontrar-se com Pamina, Tamino tem que enfrentar animais ferozes, tempestades e outros perigos que acabarão por transformá-lo num jovem livre e corajoso. A peça de bonecos A Flauta Mágica é inspirada, livremente, na ópera de Amadeus Mozart e Emanuel Schikaneder, adaptada para o público infantil. As aventuras de Tamino e do caçador de pássaros Papagueno são embaladas por pequenos trechos musicais instrumentais, apresentados em uma trilha sonora adaptada do maestro Jamil Maluf. Pela técnica do teatro negro, os bonecos parecem mover-se livremente, voar, aparecer ou desaparecer como num passe de mágica. A atmosfera de sonho do espetáculo é desenhada pela cor fluorescente dos bonecos e cenários. A companhia de teatro Imago foi criada por Fernando Anhê de Jamil Maluf em 1999. Seu repertório apresenta a mescla de diversos gêneros dramáticos, linguagens e técnicas artísticas; com destaque para a técnica do teatro negro na qual objetos e bonecos parecem se mover no espaço cênico, criando uma atmosfera onírica e surreal. Ficha técnica: Direção/adaptação/cenografia: Fernando Anhê. Direção Musical: Maestro Jamil Maluf. Elenco: Cia. Imago.

Local: Teatro (392 pessoas). Duração: 45 minutos. Recomendada p/ crianças a partir de 3 anos.
Dia 03/06 (sábado) haverá descrição em linguagem de sinais (Libras); e dia 04/06 (domingo) haverá audiodescrição com fone, e para sua retirada é preciso apresentar documento com foto.
Ingressos: R$ 20,00 (inteira); 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).
Grátis para menores de 12 anos.
03 e 4/06. Sábados e domingos, às 12h

Espetáculo: Inimigos
Com Companhia de Feitos

O espetáculo propõe um exercício de reflexão sobre a incoerência de uma guerra. Dentro de um buraco no campo de batalha, um soldado interroga-se sobre seu inimigo, a quem considera um animal selvagem e impiedoso, sobre seus companheiros, agora em silêncio, e sobre a razão de ainda estar ali. Acompanhamos apenas um dos lados da história, mas certamente este poderia ser qualquer um dos lados: os soldados, ainda que sejam adversários no front, têm muito em comum. A peça é um projeto de transposição para o palco do livro homônimo de Davide Cali e Serge Bloch. Ficha técnica: Direção e Dramaturgia: Carlos Canhameiro. Elenco: Artur Kon, Carla Massa, Giscard Luccas e Paula Serra. Músicos: Paula Mirhan e Rui Barossi. Iluminação: Daniel Gonzalez. Figurino: Paolo Mandatti. Cenário: José Valdir Albuquerque. Produção: Ana Cristina Medina. Estudos TABUS, da literatura ao teatro infantil.

Dia 22/07 (sábado) haverá descrição em linguagem de sinais (Libras); e dia 23/07 (domingo) haverá audiodescrição com fones, e para retirada é preciso apresentar de documento com foto.
Local: Teatro (392 pessoas). Livre.
Ingressos: R$ 20,00 (inteira); 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).
24/06 a 23/07. Sábados e domingos, das 12h às 13h

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA

Contação de Histórias
Com Cia. Malas Portam

Narração de diferentes histórias.
03/06 - Malas Portam Histórias - Nesse encontro o público conhece a Mala Pout Pourri que carrega um pouco de cada uma das nossas cinco malas: Mala Treco, Mala Bola, Mala Livro, Mala Tecido e Mala Invisível.
04/06 - Histórias de Medo - Quatro histórias são retiradas da Mala Invisível. A primeira é uma adaptação do livro O Ursinho Apavorado, de Keith Faulkner, que fala sobre o medo do escuro. A segunda, A Madrinha Morte, é uma adaptação do conto dos irmãos Grimm e Ricardo Azevedo sobre como um homem consegue enganar a morte. A terceira, um conto popular brasileiro, João Sem Medo, conta a história de um rapaz muito corajoso, que consegue afastar os fantasmas de uma casa assombrada de forma muito astuta. A última é o conto popular inglês, Pequenininha, que fala de uma pequenina menina que morava em uma pequenina casa, quando encontra um pequenino osso e começa sua aventura cheia de vozes e sons assustadores.
24/06 - Histórias Acumulativas - As histórias são adaptações de três livros: O Domador de Monstros, de Ana Maria Machado, fala sobre um menino que está tentando dormir, mas vê refletido na parede do seu quarto a sombra de árvores que parecem monstros cada vez mais feios; A Casa Sonolenta, de Audrey Wood, é uma casa onde todos viviam dormindo, até que uma pulga chega para acordar os moradores; E o Dente Ainda Doía, de Ana Terra, tem um jacaré aceita a ajuda de muitos animais da floresta para resolver a sua dor de dente.
25/06 - Histórias da Roça - Ao som da cantiga “Capelinha de Melão”, o público é convidado a seguir viagem pelos contos populares da roça. Após um sonoro trava-língua, a divertida história O Macaco e a Velha é retirada da Mala Invisível, em que um esperto macaco tenta se livrar da armadilha em que ele próprio se envolveu. Em seguida, Como Pedro Malasartes Vendeu um Passarinho e Sopa de Pedra ilustram as peripécias desse conhecido personagem português do campo. Para encerrar a viagem pelos contos folclóricos, uma Mala Tecido se transforma em biombo onde é narrada a história A Língua do Boi, comum a várias cidades do Brasil e com diferentes versões.

Grátis. Local: Convivência. Classificação: Livre.
03 e 04/06. 24 e 25/06, Sábados e domingos, às 16h

TECNOLOGIAS E ARTES
Desdobrando Imagens - Cinema E Realidade Virtual - Palestras, bate-papo, mostra de vídeos, cursos e oficinas, ligadas ao uso de realidade virtual e imersão nas práticas cinematográficas.

Vivência: Experiências Animadas: Realidade Virtual e Aumentada
Com Joel Melo

Vivência com personagens virtuais no ambiente físico e imersão em ambientes digitais com a utilização de óculos especiais. O participante pode interagir com objetos, personagens e animações por meio de diferentes técnicas e dispositivos. Joel Melo é graduado em Design Digital, Pós-graduado em Cinema, Vídeo e Fotografia: Criação em Multimeios e Pós Graduando em Mídia Informação e Cultura na ECA-USP. Integra a equipe do Sesc Belenzinho desenvolvendo oficinas na área de tecnologias e artes com ênfase em fotografia, design digital e gráfico, vídeo, mídias sociais, arte e tecnologia e letramento digital para a terceira Idade e afins.
Grátis. Local: Convivência. Classificação: Livre.
04/06. Domingo, das 14h30 às 16h30

Oficinas com Daphine Ferrão e Mirella Maria
Daphine Ferrão é artista visual e arte educadora, formada pelo Instituto de Artes da Unesp. Atua com oficinas criativas principalmente nas técnicas de carimbo, desenho e colagem sempre vinculadas a outras linguagens como cinema, literatura, dança e música para crianças jovens e pessoas com deficiência. Já foi educadora em instituições como Fundação Bienal e Pinacoteca do Estado de São Paulo, ministra oficinas em unidades do Sesc SP, Instituto Olga Kos, bem como aulas de arte para Ensino Médio na rede estadual de ensino. Mirella Maria é artista visual e arte educadora, formada pelo Instituto de Artes Unesp é mestranda em arte-educação pela mesma instituição. Realiza oficinas em diferentes espaços culturais na área de artes visuais, a partir de técnicas criativas e manuais; atua também em trabalhos com temática étnico-racial e de gênero, educadora no Museu Afro Brasil e produtora/gestora cultural no Quilombo Mulheres Negras.

Oficina: Construção de Brinquedos Ópticos: Taumatrópio

Os brinquedos ópticos surgiram no início do século XIX como os primeiros recursos a darem a impressão de imagens em movimento. Eles exploravam o funcionamento do olho humano e lançavam mão de efeitos visuais simples para transformar ilustrações em animações. Nesta oficina, as crianças criam o taumatrópio, compreendendo o funcionamento do olhar em conjunto com a luz como grande participante na construção de movimentos de imagens.
Grátis. Local: Espaço de Tecnologias e Artes. Indicado para maiores de 5 anos.
10 a 11/06. Sábado e domingo, das 14h30 às 16h30

Oficina: Construção de Brinquedos Ópticos: Flipbook

Os brinquedos ópticos surgiram no início do século XIX como os primeiros recursos a darem a impressão de imagens em movimento. Eles exploravam o funcionamento do olho humano e lançavam mão de efeitos visuais simples para transformar ilustrações em animações. Nesta oficina, as crianças criam o flipbook, um brinquedo feito apenas com desenhos colocados em folhas leves e fáceis de folhear.
Grátis. Local: Espaço de Tecnologias e Artes. Indicado para maiores de 5 anos.
15 a 18/06. Quinta a domingo, das 14h30 às 17h30

Oficina: Construção de Brinquedos Ópticos: Fenaquistocópio

Os brinquedos ópticos surgiram no início do século XIX como os primeiros recursos a darem a impressão de imagens em movimento. Eles exploravam o funcionamento do olho humano e lançavam mão de efeitos visuais simples para transformar ilustrações em animações. Nesta oficina, as crianças criam o fenaquistocópio. O nome parece mais complicado, mas é um dos mecanismos de movimentos de imagens mais tranquilos de se realizar.
Grátis. Local: Espaço de Tecnologias e Artes. Classificação: Livre.
24 a 25/06. Sábado e domingo, das 14h30 às 17h30

Oficina: Experiências Animadas: do Desenho ao Gif
Com Vanessa Pereira

Oficina volta para pais e filhos, na qual são criadas animações a partir de desenhos feitos pelos participantes. São gerados GIFs animados no software livre GIMP após a digitalização dos trabalhos. Vanessa Pereira é mestranda em Artes (Unesp), pós-graduada em Estéticas Tecnológicas (PUC), designer multimídia (Senac) e técnica em Design Gráfico (ETEC Carlos de Campos). Integra a equipe do Sesc Belenzinho como Educadora de Tecnologias e Artes e atua em diferentes espaços culturais da cidade.
Grátis. Local: Espaço de Tecnologias e Artes. Acima de 7 anos.
25/06. Domingo, das 11h30 às 13h30

ARTES VISUAIS
Intervenções no Espaço de Brincar - Diferentes linguagens artísticas e brincadeiras coletivas, voltadas para a primeira infância.

Intervenção: Mares e Mundos de Papel
Com Coletivo Barca

Mares, janelas, barcos, caminhos, histórias... Mundos de papel para brincar e imaginar! A partir de diferentes tipos de papéis recicláveis como jornais e revistas, brincadeiras são vivenciadas com a criação de brinquedos convidando as crianças e famílias para uma experiência lúdica. Recomendado para os pequeninos. O Coletivo Barca acredita no brincar como forma de apropriação e conhecimento do mundo. Pela pesquisa, observam que o tempo e o espaço dedicados ao brincar espontâneo da criança juntamente com o adulto, tão importantes para seu desenvolvimento, estão se tornando raros para grande parte das pessoas. Reunidas pelo interesse pelo universo do brincar e da criança, cada educadora do coletivo (Andrea Rocha, Camila Feltre e Renata Oliveira) tem formação em uma área artística diferente, o que atribui ao mesmo um caráter de interlinguagens artísticas. As atividades desenvolvem-se de forma integrada, dialogando com a maneira como a criança habita o mundo.
Grátis. Local: Espaço de Brincar. Classificação: Livre.
03 a 25/06. Sábados e domingos, das 11h às 11h45 e das 13h30 às 14h15
15 a 16/06. Quinta e sexta, das 11h às 11h45 e das 13h30 às 14h15

LITERATURA
Mediações - Promove encontros sobre a temática das ações em torno da leitura.

Histórias para Ler e Voar!
Com Collectivus de Leitura

O grupo interdisciplinar Collectivus de Leitura busca estimular a leitura de literatura de maneira prazerosa, afetiva e lúdica, aproximando gerações e fortalecendo laços.
Grátis. Local: Biblioteca. Classificação: Livre.
01/05 a 25/06. Sábados e domingos, das 14h às 16h
15/06. Quinta, das 14h às 16h

CINEMA E VÍDEO
Filminho - Exibição de filmes infantis para divertir pais e filhos.

Filme: Zootopia – Essa Cidade é o Bicho
Dir. Rich Moore, Byron Howard. EUA. 2016. Animação. 108 min.

Judy Hopps é a pequena coelha de uma fazenda isolada, filha de agricultores que plantam cenouras há décadas. Mas ela tem sonhos maiores: pretende se mudar para a cidade grande, Zootopia, onde todas as espécies de animais convivem em harmonia, na intenção de se tornar a primeira coelha policial. Judy enfrenta o preconceito e as manipulações dos outros animais, mas conta com a ajuda inesperada da raposa Nick Wilde, conhecida por sua malícia e suas infrações. A inesperada dupla se dedica à busca de um animal desaparecido, descobrindo uma conspiração que afeta toda a cidade.
Grátis. Local: Oficina 3. 60 lugares. Retirar senha com 30 minutos de antecedência. Livre.
04/06. Domingo, às 17h

Filme: Pets - A Vida Secreta dos Bichos
The Secret Life of Pets. Dir. Yarrow Cheney, Chris Renaud. EUA. 2016. Animação. 87 min.

Max é um cachorro que mora em um apartamento de Manhattan. Quando sua querida dona traz para casa um novo cão chamado Duke, Max não gosta nada, já que seus privilégios parecem ter acabado. Mas logo eles vão ter que pôr as divergências de lado quando um incidente coloca os dois na mira da carrocinha. Enquanto tentam fugir, os animais da vizinhança se reúnem para o resgate e uma gangue de bichos que moram nos esgotos se mete no caminho da dupla.
Grátis. Local: Oficina 3. 60 lugares. Retirar senha com 30 minutos de antecedência. Livre.
11/06. Domingo, às 17h

Filme: Por Água Abaixo
Flushed Away. Dir. Sam Fell, David Bowers. Reino Unido, EUA. 2006. Animação. 95 min.

Roddy é um rato de estimação que vive em um luxuoso apartamento em Kensington e tem dois hamsters, Gilbert e Sullivan, como mordomos. Um dia surge no local Sid (Shane Richie), um rato sujo que é expelido pelo esgoto da pia. Sid acha que tirou a sorte grande, mas Roddy quer se livrar dele o mais rápido possível. Para tanto tenta enganá-lo, dizendo que a privada é na verdade uma banheira e tentando convencer Sid a entrar nela. Porém Sid não é bobo e empurra Roddy para a privada, dando a descarga em seguida. Roddy passa pelos esgotos e chega à cidade de Ratópolis. Lá ele encontra Rita, uma ratazana que trabalha com seu barco que é a única que pode ajudá-lo a voltar para casa.
Grátis. Local: Oficina 3. 60 lugares. Retirar senha com 30 minutos de antecedência. Livre.
18/06. Domingo, às 17h

Filme: A Fuga das Galinhas
Chicken Run. Dir. Peter Lord, Nick Park. Reino unido, FR, EUA. 2000. Animação. 84 min.

A Sra. Tweedy é a dona de um galinheiro no interior da Inglaterra, onde a maior parte das aves vive uma vida curta e monótona, limitada a produzir ovos e terminar na panela. Mas quando Rocky, um galo vindo dos Estados Unidos surge voando por cima da cerca da Granja, as coisas começam a mudar. Rocky se apaixona por Ginger, que sonha com uma vida melhor e já há algum tempo deseja fugir da granja. Juntos os dois arquitetam um plano para conseguir liberdade. No entanto, Rocky e Ginger logo se veem correndo contra o tempo quando a Sra. Tweedy decide que é hora de mandar a granja inteira para a o forno.
Grátis. Local: Oficina 3. 60 lugares. Retirar senha com 30 minutos de antecedência. Livre.
25/06. Domingo, às 17h

SERVIÇO

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).


Assessoria de imprensa – Sesc Belenzinho
Período: 16/05 a 16/08/2017
VERBENA COMUNICAÇÃO
Eliane Verbena / João Pedro
Tel: (11) 2738-3209 / 99373-0181 -
verbena@verbena.com.br

Jacqueline Guerra: (11) 2076-9762
imprensa@belenzinho.sescsp.org.br
SESC SP | Facebook | Twitter

terça-feira, 23 de maio de 2017

Mirianês Zabot leva Gonzaguinha ao Sesc Belenzinho com participação de Claudette Soares

Mirianês Zabot lança no próximo dia 2 de junho, sexta-feira, às 21h, no Teatro do Sesc Belenzinho, o álbum em que relê a obra de Gonzaguinha. O show conta com a participação especial de Claudette Soares, que também faz dueto com Mirianês no disco e foi a primeira intérprete do compositor.

Mirianês Zabot Canta Gonzaguinha - Pegou um Sonho e Partiu, é o segundo trabalho da cantora, gravado em 2016. A audição do disco mostra que sua interpretação capta a sensibilidade do compositor e que o respeito à sua criação não a impede de dar vida nova a canções como “Caminhos do Coração”, “Sangrando”, “Espere por Mim, Morena” e “Comportamento Geral”. Os arranjos, assinados por Oswaldo Bosbah, sublinham esse tratamento: com uma sonoridade moderna, são fiéis à natureza do cancioneiro de Gonzaguinha.

A artista canta acompanhada pelos músicos Oswaldo Bosbah (arranjos, produção musical e violão), Marinho Boffa (pianista que tocou com Gonzaguinha), Rudy Arnaut (guitarra), Welington Moreira Pimpa (percussão), François de Lima (trombone) e dois ex-integrantes do Zimbo Trio: o baixista Itamar Collaço e o baterista Percio Sapia.

Mirianês Zabot é dona de uma voz distinta, que soa suave e límpida, capaz de transformar aspereza em brandura, rascância em delicadeza, tudo isso enquanto, mais do que preservar a essência do seu cancioneiro, lhe empresta novas e insuspeitadas possibilidades de interpretação. A gaúcha Mirianês Zabot, radicada em São Paulo desde 2006, tem uma expressiva história profissional na Música Popular Brasileira. Seu repertório traz canções inéditas de novos autores, além de interpretações de nomes consagrados. Em 2016 lançou seu segundo álbum, Mirianês Zabot canta Gonzaguinha - Pegou um Sonho e Partiu. O trabalho de estreia foi em 2009 com o CD e DVD Mosaico Foto-Prosaico, produzido por Itamar Collaço e pela própria cantora e compositora. O CDs contam com distribuição, no Brasil e exterior, pela Tratore. Além de seus álbuns, idealizou e apresentou-se com os shows: Minha Terra Alheia; Gafieiras e Outras Verves; Homenagem a Elis Regina e Tom Jobim; E Por Falar Em Saudade... (2013, centenário de Vinicius de Moraes); e Clássicos da Música Brasileira. Em 2014, estreou o show Saravá, Caymmi, ao lado do cantor e violonista Oswaldo Bosbah. Cantando profissionalmente desde os 14 anos, apresentou-se em várias cidades do país, em unidades do SESC, Festivais de Inverno, Virada Cultural, SESI e outros. Site: http://www.mirianeszabot.com.br.

Serviço

Show: Mirianês Zabot Canta Gonzaguinha
2 de junho. Sexta, às 21h
Local: Teatro (392 pessoas).
Duração: 1h10. Não recomendado para menores de 12 anos.
R$ 20,00 (inteira); 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes). Venda pelo Portal Sesc SP (www.sescsp.org.br) e unidades do Sesc.

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).

terça-feira, 16 de maio de 2017

Realidade virtual e cinema são temas do projeto Desdobrando Imagens no Sesc Belenzinho

De 17 de maio a 13 de junho, o Sesc Belenzinho realiza o projeto Desdobrando Imagens, que reúne palestras, bate-papo, mostra de vídeos, cursos e oficinas ligados ao uso de realidade virtual e imersão nas práticas cinematográficas.

A palestra com o norte-americano Michael Naimark, um dos pioneiros e principais nomes na criação da realidade virtual, é um dos destaques da programação, no dia 4 de junho. Produtor, inventor e estudioso do campo da realidade virtual e novos meios, Michael é conhecido por seu trabalho em mapeamento de projeções, com o Google Street View, com transmissão global de vídeo e patrimônio virtual. Ele foi premiado por 16 patentes relacionadas a câmeras e displays e seu trabalho foi visto em mais de 300 exposições de arte, festivais de filmes e apresentações ao redor do mundo. Desde 2009, integra o corpo docente do departamento de Cinema da Universidade da Califórnia do Sul, do programa de Telecomunicações Interativas da Universidade de Nova York e do Media Lab do MIT. Em 2015, Naimark foi contratado como o primeiro "artista residente" da Google, no seu recém-criado departamento de realidade virtual.

Outro destaque é a exibição do documentário Fogo na Floresta, primeiro filme em realidade virtual produzido em uma aldeia indígena na Amazônia, dirigido por Tadeu Jungle, que será exibido em óculos de realidade virtual, junto com outras produções, nos dias 3 e 4 de junho.

Desdobrando Imagens é uma programação derivada da 7ª Conferência Besides the Screen, que ocorre na Universidade Federal do Espírito Santo, entre 31 de maio e 2 de junho.  A recente popularização de displays imersivos reacendeu o interesse pelo tema da realidade virtual, uma tecnologia porvir. Esse movimento foi acompanhado pela explosão de outras formas de captura e exibição de imagens volumétricas, como o escaneamento 3D e o vídeo 360º. O modo como são aplicados em campos que vão desde as redes sociais até a preservação de patrimônio e a medicina protética indica seu amplo impacto.

Projeto Desdobrando Imagens - programação completa:
Programação


Cursos e oficinas
Grátis
Início das inscrições: Credencial plena: 5/5. Sexta, 14h. Credencial Atividades e público em geral: 9/5, Terça, 14h. Vagas remanescentes: 10/5, quarta. Local: Espaço de Tecnologia e Artes.

Pintura em Realidade Virtual
Utilizando a tecnologia do óculos de realidade virtual (VR) e os programas inovadores Tilt Brush e Quill, os participantes irão imergir em uma vivência em que poderão desenvolver experiências em técnicas de pintura e desenho 3D. A sala é a tela e a paleta de cores é a sua imaginação. As possibilidades são infinitas: os participantes podem pintar utilizando texturas de traços, estrelas, luzes, água, fogo, bolhas e na sequência podem transitar pela sala e compartilhar suas obras com os outros.
Dia 17/5, quarta, das 17h30 às 22h

Estereoscopia: uma introdução prática e teórica
Introdução à história e aos conceitos básicos das técnicas de produção de imagens estereoscópicas. Parte dos primeiros experimentos no século XIX, seguindo o desenvolvimento da tecnologia até os atuais equipamentos de realidade virtual. Igualmente, por meio de simples exercícios, algumas dessas técnicas de produção são exploradas: anáglifos, polarização, lado-a-lado e head mounted displays (google cardboard). Os alunos devem levar smartphones com cabos para baixar fotos do celular.
Dias 23 e 25/5, terça e quinta, das 14h30 às 17h30

Áudio no cinema: Imersão sonora tridimensional
Dirigida a técnicos de áudio, sound designers e apreciadores de cinema e realidade virtual, o curso apresenta formatos, técnicas e usabilidade do áudio para levar a audiência para dentro da obra através de uma imersão sonora tridimensional. Aborda aspectos como a história do desenho do áudio no cinema com análise das técnicas e do nível de imersão, os diversos sistemas (mono, stereo, surround, 3D e binaural),
além de exercícios de captação.
De 24/5 a 7/6, quartas, das 19h às 22h

Realidade Virtual: Criação de Ambientes 360°
Apresentação das possibilidades, softwares e aplicativos, equipamentos e conteúdos criados para Realidade Virtual. O participante pode criar um ambiente 360° em 3D no software livre Blender e visualizá-lo com os óculos Google Cardboard.
De 30/5 a 13/6, terças e quintas, das 10h às 12h

Realidade Virtual para a Web
As tecnologias que permitem a criação de cenários em realidade virtual na Internet, para visualização com óculos como o Google Cardboard, são baseadas em JavaScript, sendo mais acessíveis do que as ferramentas utilizadas na criação de jogos e aplicativos com gráficos tridimensionais.  10 vagas.
De 30/5 a 8/6, terças e quintas, das 19h às 22h

Montando o seu Google Cardboard
O público aprende a montar os seus próprios óculos feitos de papelão e experimentar essa interface com os aplicativos celulares. Ao final, levam seus óculos para casa. 7 vagas. Com Camila Gondo e Vitor Marchi.  A partir de 14 anos.
Dia 3/6, sábado, das 14h30 às 16h30

Vivência

Experiências Animadas: Realidade Virtual e Aumentada
Vivência com personagens virtuais no ambiente físico e imersão em ambientes digitais com a utilização de óculos especiais. O participante poderá interagir com objetos, personagens e animações através de diferentes técnicas e dispositivos
CONVIVENCIA. Grátis - Sem retirada de ingressos.
Com Vanessa Pereira e Francisco Arlindo Alves.
Dias 27 e 28/5, sábado e domingo, das 14h30 às 16h30
Com Joel Melo.
Dia 4/6, domingo, das 14h30 às 16h30

Bate-papos e palestras

Experiências Brasileiras em Cinema Volumétrico
Com Raquel Garbelotti, Tadeu Jungle e VJ Suave
Artistas brasileiros falam do uso de tecnologias de vídeo 360º, realidade virtual e projeção volumétrica nos seus trabalhos. Como essas novas tecnologias conversam com campos já consolidados como o documentário, a projeção urbana e o cinema de artista?
Tadeu Jungle é roteirista e diretor de cinema, TV e Realidade Virtual. Foi um dos precursores da videoarte no país. VJ Suave é um duo de new media art formado por Ygor Marotta e Ceci Soloaga, residentes em São Paulo. São especialistas em projeção em movimento; trabalham animação quadro a quadro projetada na superfície urbana. Raquel Garbelotti é artista e pesquisadora. Doutora pela ECA/USP em 2011. Docente na Universidade Federal do ES - UFES desde 2004. Sua pesquisa relaciona-se com os problemas da videoinstalação e o cinema de exposição.
Sala de Espetáculo I. Livre.
Dia 3/6, sábado, das 19h às 20h

Realidade virtual como trajetória: observações e provocações
Com Michael Naimark
A realidade virtual parece ter chegado ao mainstream repentinamente, com uma voracidade raramente vista, especialmente no Vale do Silício e em Hollywood. A arte e a ciência dos ambientes imersivos mediados possuem uma longa e rica história, da qual a realidade virtual pode ser vista como um auge revolucionário. O estado atual da realidade virtual abre espaço para que a comunidade criativa, que por tanto tempo esteve envolvida no seu desenvolvimento, tenha um impacto excepcional. Michael Naimark possui uma vasta experiência participando de projetos de pesquisa e de arte que antecederam a popularização da realidade virtual em décadas. Ele vai apresentar alguns de seus trabalhos e abordar alguns pontos de interesse contemporâneos tais como presença e abstração, produtores e participantes, entusiasmo e criticidade, e globalização e hegemonia. Nichos no ecossistema de realidade virtual, particularmente os sistemas interativos baseados na captura do mundo real por câmeras também serão temas abordados.
Michael Naimark é produtor, inventor e pesquisador nos campos da realidade virtual e da arte em novos meios. Ele é mais conhecido pelo seu trabalho com mapeamento de projeções, com o Google Street View, com transmissão global de vídeo e com patrimônio virtual. Naimark possui 16 patentes referentes a câmeras, displays, sistemas hápticos e transmissão ao vivo. Seu trabalho já foi visto em mais de 300 exposições, festivais de cinema, e apresentações ao redor do mundo. Ele já dirigiu projetos com o apoio de: Apple, Disney, Atari, Panavision, Lucasfilm, Interval, Google, National Geographic, UNESCO, Fundação Rockefeller, Exploratorium,  Banff Centre, Ars Electronica, ZKM e Metrô de Paris. Desde 2009, integra o corpo docente da Divisão de Mídias Interativas do departamento de Cinema da Universidade da Califórnia do Sul, do programa de Telecomunicações Interativas da Universidade de Nova York e do Media Lab do MIT. Em 2015, Naimark foi contratado como o primeiro "artista residente" da Google, no recém-criado departamento de realidade virtual.
Dia 4/6, domingo, das 14h30 às 15h15
Sala de Espetáculo I. Livre. Grátis.

Fotografia não-humana: desdobrando o "nosso" mundo
Com Joanna Zylinska
Hoje, na era dos drones, das imagens de satélite, da composição multicâmera, do escaneamento 3D e da fotogrametria, a captura de imagens está cada vez mais desligada da agência e da visão humana. Essa prática abre diferentes formas de temporalidade e espacialidade: imagens agora podem literalmente chegar ao fim do nosso mundo. O conceito de "fotografia não-humana" busca expandir a ideia antropocêntrica de fotografia de modo a abarcar formas de produção de imagem das quais o ser humano está ausente: desde exemplos de alta tecnologia como câmeras de controle de tráfego, fotografia espacial e o Google Earth, até os processos de impressão de duração profunda, tais como a fossilização. Joanna Zylinska irá argumentar que mesmo as imagens que são produzidas pelo humano – sejam artistas ou amadores – envolvem um elemento não-humano, mecânico. Elas implicam a execução de algoritmos técnicos e culturais que dão forma tanto aos nossos aparelhos de produção de imagem quanto às nossas práticas de visualização. Ao mesmo tempo, a produção de imagens se encontra cada vez mais mobilizada para a documentação da precariedade do habitat humano. Por meio da publicidade, de pôsteres de campanha e do Instagram, vemos como ela nos auxilia a imaginar uma vida e um mundo melhores.
Joanna Zylinska é escritora, professora, artista e curadora. Professora titular de Novos Meios e Comunicação de Goldsmiths, na Universidade de Londres. Possui seis livros publicados, incluindo Nonhuman Photography (MIT Press, 2017, no prelo), Minimal Ethics for the Anthropocene (Open Humanities Press, 2014, disponível on-line) e Life after New Media: Mediation as a Vital Process (com Sarah Kember; MIT Press, 2012). Traduziu o tratado filosófico de Stanislaw Lem, Summa Technologiae (Minnesota UP, 2013). Em 2013, foi diretora artística de Transitio_MX05 'Biomediations', o festival bienal de novos meios na Cidade do México.
Dia 4/6, domingo, das 15h15 às 16h
Sala de Espetáculo I. Livre.

Filmando a terceira dimensão
Com Mei-Ling Wong
A realização cinematográfica entrou na dimensão espacial. Recentes desenvolvimentos no campo da computação e da fotografia possibilitam a criação de imagens que não são mais planas e sim representações tridimensionais da realidade. Essas técnicas surgiram em laboratórios de pesquisa e companhias de alta tecnologia, mas já se encontram nas mãos de realizadores e artistas. Nesse contexto de novas mídias, a realização cinematográfica passa a depender da colaboração de cineastas com engenheiros e artistas capazes de traduzir suas propostas em sistemas computacionais. O estúdio Scatter é um dos principais responsáveis por essa popularização. Seus fundadores criaram o Depthkit, um dos primeiros sistemas open source para realização de filmagens volumétricas. Nessa palestra, será abordado o processo de produção de alguns de seus projetos em realidade virtual, que vieram a ser exibidos em festivais de cinema como Sundance e TriBeCa.
Mei-Ling Wong é produtora multi-disciplinar. É co-fundadora e gerente de produção do estúdio Scatter, pioneiro em cinema volumétrico. Sua experiência na produção tanto de comerciais quanto de instalações interativas a possibilita combinar disciplinas tradicionais da produção numa ampla gama de meios, tais como filme, efeitos visuais, motion graphics, performances ao vivo, instalações sensoriais e narrativas documentais contadas por meio das lentes da realidade virtual.
Dia 4/6, domingo, das 16h às 16h45
Sala de Espetáculo I. Livre.

MOSTRA DE VÍDEOS 360º

Uma seleção de trabalhos em vídeo imersivo utilizando visores especiais. A programação inclui o lançamento mundial do documentário Fogo na Floresta, de Tadeu Jungle, reportagens imersivas realizadas pela Vice Brasil e um vídeo experimental da artista alemã Claire Hentschker.
Espaço de Tecnologia e Artes.
Grátis - Sem retirada de ingressos.
Dias 3 e 4/6 Sábado, das 18h às 21h. Dia 4/6, domingo, das 13h às 19h

Programação de filmes
O público pode escolher o que quer assistir nos seus óculos.

Rio de Lama (Brasil, 2016, 9’34). www.riodelama.com.br. Documentário de curta-metragem realizado em realidade virtual sobre o rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG). O filme mostra o que restou da vila de Bento Rodrigues e contrapõe a paisagem arrasada com as alegres memórias de seus moradores. Direção: Tadeu Jungle. Produção: Marcus Nisti, Rawlinson Peter Terrabuio, Tadeu Jungle. Realização: Academia de Filmes, Beenoculus, Maria Farinha Filmes.

Fogo na Floresta (Brasil, 2017, 6’55”). www.socioambiental.org. Documentário de curta-metragem realizado em realidade virtual sobre o povo Waurá, uma etnia indígena de 560 pessoas que vive no Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso. O filme passeia pelo cotidiano da aldeia Piyulaga e revela que os índios mantêm sua cultura tradicional ao mesmo tempo em que incorporam hábitos e tecnologias dos “brancos”. O curta é um alerta para o fogo que, devido ao desmatamento no entorno do parque e ao agravamento das mudanças climáticas, saiu do controle e ameaça as florestas e a vida no Xingu. Direção: Tadeu Jungle. Produção: André Villas Boas, Bruno Weis, Paulo Junqueira e Tadeu Jungle. Som: JUKE!  Aplicativo: Beenoculus. Produção: Academia de Filmes. Realização: Instituto Socioambiental (ISA), 2017, Brasil. Duração: 6’55”. Cor, estéreo.

VICE BRASIL 360º

Por dentro da Torcida do Palmeiras (Brasil, 2016, 3'40")
www.vice.com/pt_br/article/vice-360-por-dentro-da-torcida-do-palmeiras
Acompanhamos as muitas caras dos torcedores do clube alviverde dentro e fora do estádio. Do lado de dentro: bexigas brancas, cantos ensaiados, aplausos, óculos escuros e cabelos impecáveis; do lado de fora, fumaça verde, bateria, latas de cerveja, cheiro de erva, muitos bebaços, gente sem camisa, tattoos, gritos de guerra. Tudo parecia festa, mas também havia o caos. Direção de conteúdo: Fernanda Negrini. Direção criativa: Gabriel Klein.

Por dentro da Vila Mimosa (Brasil, 2016, 2'34")
www.vice.com/pt_br/article/vice-360-por-dentro-da-vila-mimosa
De todos os ângulos, a Vila Mimosa é o que parece: uma das áreas de prostituição mais famosas e antigas da cidade do Rio de Janeiro. Diariamente, cerca de mil prostitutas passam pela Rua Sotero dos Reis e arredores, na zona norte. Durante os Jogos Olímpicos, a expectativa de clientes gringos dispostos a pagar R$ 65 por meia hora de sexo foi soterrada pela realidade: o lugar, a 25 km de distância da Vila Olímpica, ficou vazio. Direção de conteúdo: Fernanda Negrini. Direção criativa: Gabriel Klein.

Por dentro do ato Fora Temer (Brasil, 2016, 3'18")
www.vice.com/pt_br/article/por-dentro-do-ato-fora-temer-04-09-2016
A VICE esteve no ato intitulado "Fora, Temer" do dia 04/09/16, em São Paulo, para registrar os acontecimentos em vídeo de 360º. Embora tenha transcorrido pacificamente, a manifestação contra o presidente Michel Temer, que foi da Avenida Paulista até o Largo da Batata, em Pinheiros, foi dispersada violentamente pela Polícia Militar (PM), que utilizou bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo, balas de borracha e jatos d'água. Direção de conteúdo: Fernanda Negrini. Direção criativa: Gabriel Klein.

Por dentro da Festa de Santa Bárbara (Brasil, 2016, 4'00")
www.vice.com/pt_br/article/vice-360-por-dentro-da-festa-de-santa-barbara-em-codo-maranhao
A magia cerca não só o imaginário social como também os ares de Codó, pequena cidade localizada no Maranhão, norte do Brasil, conhecida como "Terra dos Encantados". Ali, todo dia 4 de dezembro começam os festejos em homenagem à Santa Barbara. E foi entre saias rodadas, turbantes de rendas, muito batuque e cânticos africanos que a VICE instalou suas câmeras para gravar a celebração em 360º. Direção de conteúdo: Fernanda Negrini. Direção criativa: Gabriel Klein.

Por dentro da Batalha de Santa Cruz (Brasil, 2016, 5'20")
www.vice.com/pt_br/article/vice-brasil-360-por-dentro-da-batalha-do-santa-cruz
Tem dez anos que os entornos do metrô Santa Cruz é o endereço da Batalha do Santa Cruz, uma das batalhas de improvisação mais importantes do hip-hop paulistano e, se pá, do Brasil. Lá já rimaram gente como Emicida, Rashid, Marcello Gugu, Projota, Bitrinho, Flow MC e Bárbara Bivolt e, até hoje, o lugar reúne semanalmente dezenas de manos e minas para um duelo de rimas. Direção de conteúdo: Fernanda Negrini. Direção criativa: Gabriel Klein.

Catacombs II, (EUA, 2017, 8’)
Catacombs II é uma reconstrução em vídeo 360o de um shopping norte-americano que já esteve abandonado, e hoje se encontra destruído. O vídeo é realizado a partir de vídeos encontrados no YouTube e de um processo chamado fotogrametria. Fotogrametria é a extração de dados volumétricos a partir de imagens bi-dimensionais. Sequências de quadros de vídeos encontrados no YouTube foram utilizadas para, desta forma, criar modelos tri-dimensionais fragmentados de espaços que já não mais existem. A trilha original é de R. Luke DuBois. Direção: Claire Hentschker. Composição Musical: R. Luke DuBois.

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho
Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h:
R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).
 

Assessoria de imprensa – Sesc Belenzinho
Jacqueline Guerra: (11) 2076-9762
imprensa@belenzinho.sescsp.org.br
SESC SP | Facebook | Twitter

Período: 16/05 a 16/08/2017
VERBENA COMUNICAÇÃO
Eliane Verbena / João Pedro
Tel: (11) 2738-3209 / 99373-0181 -
verbena@verbena.com.br