quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Teatro do Incêndio encerra temporada de O Santo Dialético no dia 4 de dezembro

O espetáculo O Santo Dialético faz sua última apresentação dia 4 de dezembro (domingo, às 19h) no Teatro do Incêndio. Com texto e direção de Marcelo Marcus Fonseca, a montagem investiga os vestígios da essência ancestral do brasileiro por meio de pessoas que, vivendo em São Paulo, perderam o contato com suas origens, habitando um mundo determinado por valores urbanos.

Dividido em dois atos, a peça parte do ponto de vista de pessoas comuns inquietas por questões perdidas de sua própria história que vão à busca de uma mitologia que possa explicá-la. Propõe o entendimento da descaracterização do negro, do índio e do próprio europeu (transformados em outra raça), indo à procura desse “novo povo”, o brasileiro, levando cada personagem numa espécie de voo interior rumo à própria raiz.

Itinerante, a peça percorre os dois andares do Teatro do Incêndio, levando o público por diversos cenários e instalações. No intervalo, pratos da culinária brasileira como baião de dois, galinhada, acarajé, etc., preparados durante o primeiro ato pelo próprio diretor do espetáculo, são oferecidos ao público, por um valor à parte, em grandes mesas comunitárias. “A ideia é que o teatro seja, além de um lugar de apresentações, um espaço de agradável permanência, mesmo depois da sessão”, diz Marcelo Marcus Fonseca, autor e diretor de O Santo Dialético.

Ficha técnica

Texto e direção geral: Marcelo Marcus Fonseca
Direção musical, composições originais e música ao vivo: Bisdré Santos
Figurino: Gabriela Morato
Iluminação: Helder Parra e Marcelo Marcus Fonseca
Preparação vocal: Alessandra Krauss Zalaf
Assistência de direção: Sérgio Ricardo
Assistência de produção: Victor Castro
Adereços: Fabrízio Casanova
Trilha sonora mecânica: Marcelo Marcus Fonseca e Bisdré Santos
Coreografia: Gabriela Morato
Operação de luz: Helder Parra
Operação de som: Victor Castro
Responsável técnico: Antonio Rodrigues
Fotos: Giulia Martins e João Caldas
Assessoria de imprensa: Eliane Verbena
Realização e produção: Cia. Teatro do Incêndio

Atores: Gabriela Morato, Francisco Silva, Elena Vago, Valcrez Siqueira, André Souza, Victor Dallmann, Pamella Carmo, Juan Velasquez, Thiago Molfi, Lígia Souto e Anderson Negreiro.


Serviço

Espetáculo: O Santo Dialético
Temporada: sábados (às 20h) e domingos (às 19h) – Até 4/12
Endereço: Teatro do Incêndio
Rua 13 de Maio, 53. Bela Vista/SP. Tel: (11) 2609 3730 / 2609 8561
Ingresso: Pague quanto puder (dinheiro ou cartão de débito)
Duração: 150 min (com intervalo de 20 min e jantar opcional)
Gênero: Drama musical. Classificação: 14 anos. Capacidade: 80 lugares.
Ar Condicionado. Local para comer. Wifi.
Estacionamento ao lado do teatro.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

2º Festival Curta Campos do Jordão acontece entre os dias 9 e 11 de dezembro


Entre os dias 9 e 11 de dezembro acontece o 2º Festival Curta Campos do Jordão, no Espaço Cultural Dr. Além (antigo Cine Glória), com exibição dos filmes de curta-metragem que foram realizados pelos alunos da Oficina de Cinema do Cineclube Araucária em 2016. Os ingressos são grátis.

Cada sessão – sexta e sábado, às 19h30, e domingo, às 18 horas – será aberta por um uma animação convidada. São elas: Até a China, de Marcelo Marão, Macacos Me Mordam, de César Maurício e Sávio Leite, e Pintas, de Marcus Vinícius Vasconcelos.

Entre os curtas jordanenses que serão exibidos estão: Cirandas e Trilhas, de Thereza Carvalho, A Construção da Arte por Reynaldo Calles, de Cervantes Sobrinho e Lucíola Figueiredo, Torta de Banana, de Roberto Tavares, Jazz na Linha, de Cervantes Sobrinho, Pé na Tábua, de Lucíola Figueiredo, 12:51, de Bruno Kubart, Paixão Pelo Cinema, de Manoel Coutinho, Peponi: Lenda ou Mito?, de Cervantes Sobrinho e Lucíola Figueiredo, Campos de Helena, de Bertina Aparecida dos Santos, Metanoia, de Renan Riso, Dias de Glória, de Cervantes Sobrinho e Lucíola Figueiredo, entre vários outros.

No encerramento do Festival (dia 11/12), serão anunciados os títulos escolhidos por um júri formado por profissionais do setor audiovisual para receber o Troféu Araucária 2016 de Melhor Curta Documentário, Melhor Curta de Ficção e Melhor Curta de Animação (convidado), além do melhor filme jordanense eleito pelo voto do público.

O 2º Festival Curta Campos do Jordão é uma realização do Cineclube Araucária com apoio da Secretaria Municipal de Cultura, da AMECampos e Convention & Visitors Bureau de Campos do Jordão e Região.
 
                  Até a China                                         Pintas

Oficina de Cinema do Cineclube Araucária & Festival Curta Campos do Jordão

Neste ano, a Oficina de Cinema do Cineclube Araucária teve orientação de renomados profissionais: Jeferson De (roteirista e diretor, cujo longa de estreia, Bróder, foi selecionado para o 60º Festival de Berlim e, no Brasil, recebeu o prêmio de melhor filme pela Associação Paulista de Críticos de Arte e 11 indicações no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro); Cris Arenas (cineasta, roteirista e administradora da empresa Buda Filmes, responsável por projetos de audiovisual com foco na produção de longas e curtas-metragens e séries de TV); e Sérgio Sachs (videomaker e editor, administrador da empresa VídeoMídia, responsável pela edição e finalização de boa parte dos curtas produzidos na Oficina de Cinema do Cineclube Araucária em 2016).

No ano passado, o Cineclube Araucária incorporou à sua programação a atividade de formação de novos cineastas com realização de Oficinas de Cinema, buscando promover a capacitação profissional básica, prioritariamente de jovens estudantes das escolas públicas de Campos do Jordão. Para isso, estabeleceu parceria com a Escola Estadual de Vila Albertina (atual Escola Estadual Professor Camargo Freire), em cujas instalações aconteceram as oficinas. Entre os participantes, além de 40 alunos da escola, estavam outros oito interessados vindos de outras áreas. O resultado foi a produção de seis filmes, cuja excelência tanto em termos técnicos quanto artísticos estimulou a criação de um espaço para a exibição pública dos mesmos. Assim começou a história do Festival Curta Campos do Jordão.

Segundo o diretor e curador do Cineclube Araucária, Cervantes Souto Sobrinho, muitos foram os pedidos para que, em 2016, esse processo de formação se estendesse a outras escolas e ao público em geral. “Essa foi a principal razão para que este ano a Oficina de Cinema do Cineclube Araucária acontecesse no Espaço Cultural Dr. Além. E o total de inscrições superou o limite pré-estabelecido de 40 participantes. O número de produções mais do que triplicou em relação ao ano passado”, comenta. Diante disso, a segunda edição do Festival Curta Campos do Jordão conta com mais de 20 filmes, boa parte deles falando diretamente aos jordanenses, por meio de argumentos desenvolvidos a partir de aspectos pitorescos da história da cidade. Cervantes revela que foi cogitada também a inclusão da categoria animação, mas essa etapa ficou para 2017. “Esta é uma experiência pioneira na cidade, da qual toda a equipe do Cineclube Araucária se orgulha”, finaliza Cervantes.


         A Construção da Arte por Reynaldo Calles                                            Metanoia

Serviço

2º Festival Curta Campos do Jordão
Dias 9, 10 e 11 de dezembro
Sexta e sábado (19h30), domingo (18 horas)
Local: Espaço Cultural Dr. Além
Av. Dr. Januário Miráglia, 1582, na Vila Abernéssia. Campos do Jordão/SP
Ingressos: grátis. Duração (total): 90 min. Classificação: livre.
Informações: (12) 3664-2300

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Companhia de Danças de Diadema realiza o 19º Cirandança com o tema O Caçador de Lendas

O evento reúne mais de 650 participantes, entre alunos, artistas orientadores e agentes culturais, em quatro dias de apresentações gratuitas, que têm inicio no dia do aniversário da cidade de Diadema ( 8 de dezembro).

O Cirandança, tradicional evento na cidade de Diadema, chega à sua 19ª edição apresentando o tema O Caçador de Lendas. As apresentações acontecem nos dias 8, 9, 10 e 11 de dezembro - quinta e sexta, às 20h, e sábado e domingo, às 19h - no Centro Cultural Diadema (Teatro Clara Nunes). A cada dia um espetáculo diferente, com entrada franca.

O evento encerra as atividades do projeto Bailando em Cirandas que trouxe em sua programação oficinas e espetáculos de dança durante todo ano de 2016, tendo apoio do ProAC ICMS. A realização é da Secretaria de Cultura de Diadema, Companhia de Danças de Diadema e Associação Projeto Brasileiro de Dança.  

O 19º Cirandança reúne cerca de 650 alunos de todas as faixas etárias, desde crianças (a partir de seis anos) até a terceira idade (todos integrantes das oficinas), além dos artistas orientadores da Companhia e dos agentes culturais da cidade e dos familiares e amigos dos participantes. 

Em cada ano, o Cirandança elege um tema que norteia todas as apresentações. Segundo a diretora do evento e da Companhia de Danças de Diadema, Ana Bottosso, em 2016, O Caçador de Lendas abriu um leque de caminhos para a abordagem sobre assuntos ligados à cultura brasileira. “Tanto a concepção quanto a criação dos espetáculos contam com a participação de todos os integrantes das oficinas, de forma integrativa e colaborativa, reafirmando a importância da troca de experiências, nesse caso por meio da dança, que também contribui para o crescimento pessoal e para o aprendizado de vida de cada um”, explica. 

Além de celebrar o sucesso do projeto, o Cirandança é a oportunidade que os alunos têm de mostrar o resultado do trabalho desenvolvido ao longo do ano, com o requinte de ocuparem o palco mais importante de Diadema, o Teatro Clara Nunes. Durante as oficinas de dança, eles também recebem outras orientações sobre todo o universo de um espetáculo como iluminação, trilha sonora, posicionamento no palco, figurino, acessórios cênicos, contato com a plateia... E, nesse encontro, o aprendizado é colocado em prática.


O Caçador de Lendas (enredo)

O pequeno Mário, personagem central de O Caçador de Lendas, vive inquieto e curioso para conhecer as histórias do Brasil. Então, ele parte país a fora em busca de descobrir mais sobre as lendas e personagens que simbolizam a riqueza de nossa cultura. Por onde Mário passa encontra quem lhe conte sobre mitos, lendas e crenças da região, deixando-o cada vez mais encantado com as curiosidades reveladas. São tantas informações para lembrar que ele resolve escrever um livro onde poderá guardar para sempre as histórias que conheceu. E, melhor ainda, todas as pessoas de sua família e seus amigos também saberão quem é Matita Pereira, Curupira, Uirapuru, Saci-pererê e muitos outros personagens do folclore brasileiro. Mário aprende que a memória, que a história de um povo nos desperta para a consciência do valor de uma sociedade mais humana e harmoniosa. 

Ficha técnica

Coordenação geral: Ana Bottosso. Produção administrativa: Ton Carbones. Assistente de produção e comunicação: Renato Alves. Secretária: Daniela Garcia. Artistas orientadores: Ana Bottosso, Carolini Piovani, Daniele Santos, Danielle Rodrigues, Dayana Brito, Elton de Souza, Fernando Gomes, Jean Valber, Léo Oliveira, Lúcia Branco, Marcela Costa, Rafael Abreu, Thaís Lima, Ton Carbones e Zezinho Alves. Iluminação: Cleiton Martins de Freitas, Ingrid Helena e Companhia de Danças de Diadema. Sonoplastia: José de Paula Diniz (Maravilha), Paulo Bispo e Companhia de Danças de Diadema. Cenário e adereços: Binho Silva, Jehn Sales, Julio Máximo e Companhia de Danças de Diadema. Costureiras: Célia Maria Bonifácio, Dora Lima, Elaine Anacleto, Felipe Santos, Jean Valber, Maria Isabel Ferreira Labiapari, Maria Oseni da Silva, Marlene Cruz, Orland Dantas e Sebastiana Fonseca. Concepção gráfica: Renata Martins. Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação. Fotografia: Ligiane Braga. Filmagem e edição: Cristina Ávila. Apoio: ProAc ICMS - Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura de SP e Waelzholz Brasmetal. Realização: Secretaria de Cultura de Diadema, Companhia de Danças de Diadema e Associação Projeto Brasileiro de Dança. Produção: Companhia de Danças de Diadema.

Serviço

19º Cirandança - O Caçador de Lendas
Com alunos do Projeto de Oficias de Danças de Diadema e Companhia de Danças de Diadema
Dias 8, 9, 10 e 11 de dezembro de 2016
Quinta e sexta (às 20h). Sábado e domingo (às 19h)
Centro Cultural Diadema - Teatro Clara Nunes
Rua Graciosa, 300. Centro, Diadema. Tel: (11) 4056-3366
Grátis (chegar com 1h de antecedência) – Classificação: Livre. 370 lugares

Participantes:
8/12 - Centro Cultural Diadema, Centro Cultural Eldorado e Centro Cultural Promissão.
9/12 - CAIS (Centro de Atenção à Inclusão Social), Centro Cultural Canhema, Centro Cultural Diadema, Centro Cultural Heleny Guariba, Centro Cultural Inamar e Centro Cultural Promissão.
10/12 - Centro Cultural Diadema, Centro Cultural Serraria e Nova Conquista.
11/12 - Biblioteca Santa Luzia, Centro Cultural Diadema, Centro Cultural Taboão e Centro Cultural Vila Nogueira.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Theresinha, peça sobre a vida de Thérèse de Lisieux encerra temporada no Mosteiro de São Bento

O espetáculo Theresinha faz sua última apresentação no dia 27 de novembro (domingo, às 18 horas) no Teatro do Mosteiro de São Bento de São Paulo.

A peça foi concebida a partir dos escritos autobiográficos e poéticos da jovem francesa Thérèse de Lisieux (1873-1897), freira carmelita descalça, canonizada em tempo recorde pela Igreja Católica. No Brasil, é popularmente conhecida como Santa Teresinha do Menino Jesus. A dramaturgia e encenação são assinadas por Helder Mariani e interpretação é de Gabriela Cerqueira.

A montagem apresenta o conflito entre a razão e a fé, vivido por Theresinha, não privilegiando a dimensão puramente religiosa, mas a humanidade dessa jovem que se tornou santa e, no final do séc. XIX, vivenciou as questões e contradições que marcariam o séc. XX e a pós-modernidade.

A encenação de Helder Mariani apresenta a personagem através de uma jovem atriz que conduz a plateia até o século XIX, na França, e nos traz a jovem freira, ambas diante do mesmo vazio. Essas duas jovens mulheres de épocas tão diferentes têm em comum a ânsia da busca pelo sentido da existência humana e o desejo compulsivo de transformar a realidade vazia de sentido, num tempo onde um racionalismo exacerbado e prepotente domina – e já dominava no XIX - nossas cabeças.

Segundo o dramaturgo, “Thérèse de Lisieux” entendia a espiritualidade e a arte como únicas formas possíveis de subverter a realidade humana, dando-lhe um novo significado, transcendendo. Na dramaturgia, ela conta sua história, valendo-se das palavras e do teatro; e representando de maneira crítica e bem humorada os personagens que aparecem na sua trajetória, revelando as suas diferentes e ambíguas facetas, e seu desejo obsessivo de se tornar uma “santa”.

Ficha técnica / serviço

Espetáculo: Theresinha
Atriz: Gabriela Cerqueira
Dramaturgia e encenação: Helder Mariani
Direção musical: Dagoberto Feliz
Desenho de luz: Gabriel Greghi
Cenografia: Flávio Tolezani
Figurino: Marcela Donato
Pesquisa: Thiago Britto
Orientação artística: Denise Weinberg
Produção: Gabriela Cerqueira e Helder Mariani.
Fotos: Thiago Bugallo e Luciney Martins
Realização: Cia. da Palavra e Pulo do Gato Produções Artísticas

Teatro do Mosteiro de São Bento de São Paulo
Largo de São Bento, s/n. Centro/SP. Metrô São Bento. Tel: (11) 3328-8799.
Temporada: 6 a 27 de novembro – domingos, às 18h
Ingressos: R$ 30,00 (meia: R$ 15,00). Aceita dinheiro, cheque e cartão de débito.
Gênero: Drama. Duração: 60 min. Classificação: 12 anos
Informações/espetáculo: (11) 97283-2727. Capacidade: 290 lugares
Acessibilidade. Não possui estacionamento.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Última apresentação de Espelhos tem exposição de processo criativo com Ney Piacentini e Vivien Buckup

Ney Piacentini (foto de João Caldas)
Após a última apresentação de Espelhos, no dia 19 de novembro (sábado, às 18h), o ator Ney Piacentini e a diretora Vivien Buckup convidam o público para conhecer o processo de criação do espetáculo. 

Após explanação de ambos, o encontro será aberto às perguntas da plateia.

A montagem está em cartaz, na Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363, Bom Retiro), de quinta-feira a sábado, com entrada é franca.

A encenação de Espelhos reúne os contos O Espelho, de Machado de Assis (integrante de Papéis Avulsos, de 1882), e O Espelho, de Guimarães Rosa (publicado em 1962, no livro Primeiras Estórias). A montagem apresenta na íntegra os dois contos, compondo um só trabalho teatral que explora as relações entre literatura e teatro.

No primeiro ato, Piacentini investe-se de Jacobina, personagem de Machado de Assis que conta a amigos uma misteriosa passagem de sua juventude na qual precisou enfrentar a solidão. Em seguida, o ator assume a personagem criada por Guimarães Rosa que parte em busca de sua essência. O trabalho propõe o diálogo entre a aguda percepção de Machado acerca da formação do sujeito brasileiro e a poética descoberta que Rosa nos oferece com sua inquieta personagem. 

Espelhos é provocador: propõe uma reflexão sobre as relações entre imagem e subjetividade por meio do pensamento de dois escritores, referências fundamentais da literatura e da arte brasileira. Ney Piacentini afirma que a peça volta-se para o Brasil colocando em cena uma literatura de qualidade inquestionável. “Em minhas leituras da obra Machadiana, encontrei em O Espelho a forma literária com possibilidades de encenação. Fui seduzido pela construção do texto, carregado de elementos da formação do caráter do sujeito brasileiro, vulnerável às influências externas”.

A diretora conta que o projeto nasceu com a obra de Machado de Assis, mas tanto ela quanto o Ney percebiam a necessidade de algo mais para compor a encenação. “Foi pesquisando críticas e estudos sobre o texto de Machado que chegamos ao conto homônimo de Guimarães Rosa, escrito 80 anos depois. Era o que faltava para o espetáculo: estávamos diante de dois momentos do Brasil, tão diferentes na forma quanto complementares para o que buscávamos”.

Por não se tratarem de textos dramatúrgicos propriamente ditos, o empenho maior foi em sublinhar o caráter narrativo dos contos e permitir que a força literária de cada um encontrasse seu equivalente em teatralidade. A encenação confere ao espectador a oportunidade de entrar em contato com a lucidez e a sutileza das palavras de dois grandes intérpretes da cultura brasileira, tanto do ponto de vista estético quanto histórico.

Ficha técnica / serviço

Espetáculo: Espelhos
Textos: Machado de Assis e Guimarães Rosa
Interpretação: Ney Piacentini
Direção: Vivien Buckup
Assistência de direção: Aline Meyer
Figurino: Fábio Namatame
Cenário e iluminação: Marisa Bentivegna.
Preparação vocal: Mônica Montenegro
Criação de som: Miguel Caldas
Direção de produção e administração: Maurício Inafre
Programação visual: Regilson Feliciano
Fotografia: João Caldas
Apoio: Prêmio Zé Renato de apoio à produção e desenvolvimento da atividade teatral para a cidade de São Paulo.

Oficina Cultural Oswald de Andrade (Sala 7)
Rua Três Rios, 363 ­ Bom Retiro/SP. Tel: (11) 3221­5558
Temporada: quintas e sextas (às 20h) e sábados (às 18h)Até 19/11
Bate-papo/processo criativo: 19/11 (sábado) – com ator e diretora
Ingressos: Grátis (devem ser retirados 1h antes das sessões)
Duração: 50 min. Gênero: Drama. Classificação: 14 anos. Lotação: 45 lugares. 

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Companhia de Danças de Diadema realiza audição para bailarinos e artistas-orientadores

As inscrições para audição que selecionará bailarinos e artistas-orientadores para compor o elenco da Companhia de danças de Diadema e o Programa de Oficinas de Danças de Diadema estão abertas até o dia 25 de novembro.

Para se inscrever, os interessados devem ter idade acima de 18 anos, possuir DRT e experiência como professor/artista orientador.

A ficha de inscrição, que está disponível para download no site www.ciadedancas.apbd.org.br,  depois de preenchida, deve ser encaminhada para o e-mail cia@ciadedancas.apbd.org.br com cópia para ciadancas@terra.com.br, acompanhada de currículo e documentos que comprovem a experiência exigida. A data limite para envio on-line da ficha e demais documentos é 25 de novembro de 2016.

Etapas da audição

1ª etapa: Análise curricular - Resultado via telefone e/ou e-mail até o dia 30 de novembro.
2ª etapa: Prática - Será realizada no dia 4 de dezembro, das 9h às 14h, no Teatro Clara Nunes / Centro Cultural de Diadema - Rua Graciosa, 300, Centro.Diadema/SP (próximo ao shopping Praça da Moça). Os candidatos devem chegar com meia hora de antecedência.
3ª etapa: Vivência - Vivência prática nas oficinas de dança do projeto. Data e local a serão informados aos pré-selecionados.

Informações
Telefones: (11) 99992.7799 / 99883.8276 / 94029.9469 (Nextel) / 94024.0496 (Nextel)

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Cineclube Araucária fecha o ano com uma retrospectiva de 2016

Macbeth: Ambição e Guerra
Para encerrar a programação de 2016 o Cineclube Araucária apresenta, entre os dias 10 e 13 de novembro, o Panorama do Cinema Atual, que algumas das melhores produções exibidas nos cinemas brasileiros, neste ano.

A retrospectiva é formada pelos filmes: O Último Poema do Rinoceronte, de Bahman Ghobadi; Macbeth: Ambição e Guerra, de Justin Kurzel; Spotlight – Segredos Revelados, de Tom McCarthy; e Nise - O Coração da Loucura, de Roberto Berliner. A matinê (13/11) traz Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme, de Steve Martino.

O Panorama do Cinema Atual integra o projeto Cineclube Araucária – O Cinema de Volta a Campos do Jordão, que acontece no Espaço Cultural Dr. Além, com entrada franca.

O curador do Cineclube Araucária, Cervantes Souto Sobrinho, afirma que para quem gosta de passar bons momentos de reflexão diante da telona do cinema, a escolha de cinco produções que marcaram de fato a temporada de cinema neste ano de tantos eventos marcantes não foi tarefa nada fácil. “Este foi um ano de boas referências para os cinéfilos. Começando por O Último Poema do Rinoceronte, coprodução turco-iraniana de Bahman Ghobadi, até o brasileiro Nise – O Coração da Loucura, de Roberto Berliner, tentamos ser o mais abrangente possível, sem deixar de fora Snoopy & Charlie Brown, de Steve Martino, destinado ao público infantil”. Comenta.

A programação do Cineclube de 2016, produzida em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e a AMECampos, sempre com entrada franca, contou com o apoio do ProAC. De fevereiro a novembro, foram realizadas (no Espaço Cultural Dr. Além) 20 Mostras e a 2ª Oficina Profissionalizante de Cinema. Na sede da AMECampos, aconteceu a exposição Cinema Ilustrado: A Oitava Arte, com foco no trabalho de ilustradores (cartazes) para cinema, e a sexta edição do Encontro Cinemúsica de Campos do Jordão. O Cineclube também é responsável pela manutenção e funcionamento da Biblioteca de Cinema e do Memorial Cine Glória, instalados no piso superior do Espaço Cultural Dr. Além.

E ainda, entre os dias 9 e 11 de dezembro, acontece o 2º Festival Curta Campos do Jordão, quando serão exibidos os filmes produzidos pelos participantes da Oficina de Cinema do Cineclube Araucária neste ano. As produções concorrem aos prêmios de Melhor Curta Documentário e Melhor Curta de Ficção em 2016.

Panorama do Cinema Atual

10/11 (quinta, às 19h30)
O Último Poema do Rinoceronte (Fasle Kargadan)
De Bahman Ghobadi. Irã / Iraque / Turquia. 2015. 88’. 16 Anos.
Sinopse: Preso na Revolução Islâmica do Irã, o poeta Sahel acaba de sair da cadeia após cumprir uma pena de 30 anos. A única coisa que o move é o desejo de reencontrar sua esposa Mina, que se mudou há anos para a Turquia acreditando que o marido havia falecido. https://www.youtube.com/watch?v=zDJ8FsFkHGQ

11/11 (sexta, às 19h30)
Macbeth: Ambição e Guerra (Macbeth)
De Justin Kurzel. UK / França. 2015. 113’. 16 Anos.
Sinopse: Macbeth é um general do exército escocês que trai seu rei após ouvir um presságio de três bruxas que dizem que ele será o novo monarca. Ele é altamente influenciado pela esposa Lady Macbeth, uma figura manipuladora que sofre por não poder lhe dar filhos. https://www.youtube.com/watch?v=NQGph7JX4i4

12/11 (sábado, às 19h30)
Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)
De Tom McCarthy. EUA. 2015. 122’. 12 Anos.
Sinopse: Baseado em uma história real, o drama mostra um grupo de jornalistas em Boston que reúne milhares de documentos capazes de provar diversos casos de abuso de crianças, causados por padres católicos. Durante anos, líderes religiosos ocultaram o caso transferindo os padres de região, ao invés de puni-los pelo caso. https://www.youtube.com/watch?v=zgicIR5Skwc

13/11 – MATINÊ (domingo, às 15h)
Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
De Steve Martino. EUA. 2015. 88’. Livre.
Sinopse: A vida de Charlie Brown sofre uma mudança com a chegada, na cidade, de uma garotinha de cabelos vermelhos. Brown se encanta pela jovem e tenta lutar contra a timidez para falar com ela. Ao mesmo tempo, Snoopy encontra uma máquina de escrever e começa a imaginar uma história fantasiosa e heroica. http://www.snoopyecharliebrown.com.br/trailer/

13/11 (domingo, às 18h)
Nise - O Coração da Loucura
De Roberto Berliner. Brasil. 2016. 108’. 12 Anos.
Sinopse: Ao voltar a trabalhar em um hospital psiquiátrico no subúrbio do Rio de Janeiro, a doutora Nise da Silveira propõe uma nova forma de tratamento aos pacientes que sofrem da esquizofrenia, eliminando o eletrochoque e lobotomia. Seus colegas de trabalho discordam do seu meio de tratamento e a isolam, restando a ela assumir o abandonado Setor de Terapia Ocupacional, onde dá início a uma nova forma de lidar com os pacientes, através do amor e da arte. https://www.youtube.com/watch?v=UeAUNvcM_xk

Serviço

Projeto Cineclube Araucária – O Cinema de Volta a Campos do Jordão
10 a 13/11 – Panorama do Cinema Atual
Quinta a sábado (às 19h30) e domingo (às 18h, matinê às 15h)
Local: Espaço Cultural Dr. Além
Av. Dr. Januário Miráglia, 1582, na Vila Abernéssia. Campos do Jordão/SP
Grátis. Informações: (12) 3664-2300

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Teatro do Incêndio tem programação especial no Dia da Consciência Negra

No dia 20 de novembro, para comemorar o Dia da Consciência Negra, o Teatro do Incêndio será ocupado por manifestações culturais e apresentações artísticas e de resistência. O valor do ingresso de cada apresentação é "pague quanto puder".

A programação tem início, às 15h, com demonstração de Capoeira pelo Mestre Santos, seguida por apresentação de Maculelê - ambas organizadas pelo professor Michel Mascarenhas.

Às 16h, o corpo artístico do Ilê Asé Yá Oju Omim apresenta o espetáculo de dança Oba Ti Àlà (termo que significa “rei cuja roupa é branca”), no qual as atrações são as danças de Orixás. Com direção de Johnny Santos Gonçalves e Fernando Igor Rodrigues dos Reis, os filhos do terreiro mostram pela primeira vez o trabalho realizado no bairro Sol Nascente que busca transmitir o conhecimento Yorubá também por meio da arte. A tarde conta ainda com a presença da yalorixá Ivone de Oxum, zeladora da casa, que pode ser consultada pelo público.

O evento termina com a apresentação do espetáculo O Santo Dialético, de Marcelo Marcus Fonseca, às 19h. A peça do grupo Teatro do Incêndio discute a perda da identidade cultural do brasileiro e explora sua formação pelo estudo de nossas raízes.

Serviço


15h – Capoeira e Maculelê
Duração: 60 min. Classificação: livre. Capacidade: 80 lugares.
Ingresso: pague quanto puder

16h - Oba Ti Àlà com Ilê Asé Yá Oju Omim
Duração: 60 min. Classificação: livre. Capacidade: 80 lugares.
Ingresso: pague quanto puder

19h - O Santo Dialético com Cia Teatro do Incêncio
Duração: 150 min (intervalo de 20 min e jantar opcional)
Gênero: Drama musical. Classificação: 14 anos. Capacidade: 80 lugares.
Ingresso: pague quanto puder

Endereço / Teatro do Incêndio
Rua 13 de Maio, 53. Bela Vista/SP. Tel: (11) 2609 3730 / 2609 8561
Aceita dinheiro e cartão de débito. Possui ar condicionado, local para comer e wi-fi.
Estacionamento ao lado do teatro. https://www.facebook.com/teatrodoincendio  

Cia de Danças de Diadema apresenta o projeto CEU que Dança, até dezembro

A Companhia de Danças de Diadema vem realizando, desde agosto, o projeto CEU que Dança, no Centro de Artes e Esportes Unificado (na Praça CEU das Artes de Diadema). O projeto, que envolve dança, educação e entretenimento, leva atividades corporais para os frequentadores do novo espaço de cultua e lazer da cidade. A linguagem da dança é apresentada de forma acessível em atividades itinerantes.

As últimas sessões ocorrem nos dias 18 e 26 de novembro (sexta e sábado) e 3 de dezembro (sábado), no período das 10h às 11h30 e das 13h30 às 15h. A Companhia desenvolve várias atividades em espaços deferentes da Praça, de acordo com a frequência e faixa etárias do público presente:
  • Nos espaços externos da Praça acontecem eventos do projeto Bailando na Cidade, espetáculos e dança do repertório da companhia.
  • Como aquecimento para os participantes das atividades, a Companhia coordena um percurso na Pista de Caminhadas.
  • No Playground da Praça, Vivências Corporais no Parquinho unem crianças e bailarinos numa intervenção com vivências corporais que interagem com os equipamentos de lazer.
  • No espaço do CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), o projeto Bailando em Família promove o encontro entre crianças e seus familiares em uma aproximação divertida por meio de jogos de movimento de dança.
  • O Auditório vai receber Aulas de Danças e Ritmos Diversos com vivências para todas as idades. 

O projeto CEU que Dança parte do princípio de que todos podem encontrar uma maneira de se expressar por meio da dança e do movimento. “A dança, uma manifestação tão antiga quanto o homem, é expressão de alegria, de comemoração e de comunicação com o próprio corpo. O sentido da sigla CEU também pode ser compreendido pelo sinônimo da palavra céu: vastidão, amplitude e totalidade: razões para expressar o prazer em exercitar os movimentos no corpo”. Comenta Ana Bottosso, diretora da Companhia de Danças de Diadema.

Esta é uma iniciativa da Associação Projeto Brasileiro de Dança, Projeto Bailando em Cirandas e a Companhia de Danças de Diadema, que atua no cenário artístico há 21 anos. A realização do projeto conta com o apoio da Prefeitura do Município de Diadema e do ProAC - Programa de Ação Cultural, da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

Ficha técnica - Coordenação geral: Ana Bottosso. Produção administrativa: Ton Carbones. Assistente de produção / comunicação: Renato Alves. Artistas orientadores: Ana Bottosso, Carolini Piovani, Daniele Santos, Danielle Rodrigues, Dayana Brito, Elton de Souza, Fernando Gomes, Jean Valber, Rafael Abreu, Thaís Lima, Ton Carbones e Zezinho Alves.  Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação.

Serviço

Projeto: CEU que Dança
Com Companhia de Danças de Diadema
18 e 26 de novembro. Sexta-feira e sábado
 03 de dezembro. Sábado
Local: Centro de Artes e Esportes Unificado (Praça CEU das Artes).
Endereço: Avenida Chico Mendes com Avenida Afonso Monteiro da Cruz, s/n
Jardim Inamar. Diadema/SP
Horários: 10h às 11h30 / 13h30 às 15h
Entrada franca. Classificação: Livre. Não é necessário fazer inscrição.
Informações: (11) 99992-7799 / 98038-5557 e http://www.ciadedancas.apbd.org.br